Asma na gravidez, riscos e cuidados a ter

A asma é um problema respiratório que pode sempre tornar-se preocupante. Na gravidez, para quem sofre de asma, os medos adensam. Saiba mais sobre os riscos e cuidados a ter sobre a asma na gravidez, com o Bebé a Bordo.

Na gravidez existem várias doenças que podem tornar-se preocupantes para a gestante. Além dos habituais constrangimentos e dos desconfortos mais comuns na gravidez, as gestantes preocupam-se ainda com as doenças que já tinham antes de estarem grávidas e com aquelas que podem surgir ao longo da gravidez.

O leque de preocupações é vasto e vai desde a psoríase, ao ritmo cardíaco irregular, passando ainda pela hipertensão e a diabetes.

Entre as doenças respiratórias, uma das preocupa estas mamãs é a asma. De facto, as mulheres com asma necessitam de ter alguns cuidados durante a gestação para garantir que tudo corre da melhor forma.
Venha conhecer os riscos e cuidados a ter caso seja asmática.

A asma tende a piorar na gravidez?

A gravidez, em si, não deverá ser causa direta do agravamento da asma. Ainda assim, indiretamente, devido à ansiedade causada pela gestação e também ao stress físico, a gestante pode sentir o agravamento desta condição respiratória.

Os estudos que se debruçaram sobre esta questão indicam que cerca de 33,3% das mulheres sente um agravamento da asma na gestação, sendo que as restantes não sentem alterações ou notam, até, uma ligeira melhoria. (1)

Quais os riscos da asma na gravidez?

Os riscos associados à asma na gravidez são variáveis. Ainda assim, é necessário ter em consideração que, caso não seja devidamente controlada, a asma pode resultar em alguns cenários preocupantes.

Entre os riscos de uma asma não controlada na gravidez encontra-se a potencial ocorrência de um parto prematuro, de cenários de hipertensão gestacional e pré-eclâmpsia, de peso insuficiente no nascimento, de complicações na gestação e/ou parto e de necessidade de recurso a parto por cesariana. (2)

A asma impede a amamentação?

Depois hora H, muitas mamãs temem que a medicação para a asma impossibilite a amamentação.

Embora seja verdade que existem medicamentos que passam para o leite, recomendando-se sempre a consulta de um especialista sobre esta questão, acredita-se que uma mãe asmática possa (e deva) amamentar o seu bebé.

Os medicamentos por via inalatória não passam, segundo os estudos realizados, para o leite materno e os medicamentos de via oral não têm, segundo os estudos, efeitos nocivos para o bebé. (3)
Em todo o caso a consulta de um especialista sobre esta matéria é incentivada.

Sofreu de asma durante a sua gravidez? Esta doença teve algum efeito negativo durante a gestação? Conte tudo às restantes mamãs do Bebé a Bordo.

ARTIGOS REMOMENDADOS

Comente este artigo