Gravidez nas trompas, quais os riscos desta gestação?

A gravidez nas trompas é um tipo de gravidez que preocupa muitas mamãs, apresentando-se como um dos tipos de gravidez ectópica. Sabe o que é a gravidez nas trompas e quais os seus sintomas e caraterísticas?

Fique a saber mais sobre a gravidez nas trompas com o Bebé a Bordo.

Falar de gravidez é, geralmente, uma bênção bem reconhecida: da fecundação ao nascimento, temos, de forma automática, uma imagem sorridente do embrião a tornar-se um feto que se desenvolve até formar um bebé. É uma história feliz de geração de um novo ser.

Infelizmente, falar em gravidez nem sempre é falar de uma gestação tão linear. Por vezes, termos como a gravidez ectópica ou a gravidez anembreonária saltam nas conversas, enunciando ideias menos positivas e que podem, até, ser assustadoras para as mamãs e futuras mamãs.

Hoje, é sobre um destes tipos de gestação que nos propomos falar, para darmos a conhecer mais sobre o conceito, os sintomas e os riscos de uma gravidez nas trompas.

Se não estiver familiarizada com este conceito ou se, simplesmente, quiser saber mais sobre ele, este artigo é perfeito para si! Venha com o Bebé a Bordo saber tudo sobre a gravidez nas trompas.

1. O que é gravidez nas trompas? O que é a gravidez ectópica?

A gravidez nas trompas (também conhecida como gravidez tubária) trata-se de um tipo de gravidez ectópica e, como tal, extra-uterina, na qual a fixação do embrião se dá fora do útero, em particular dentro das trompas de Falópio.

Ao fixar-se nos canais tubários – que ligam o ovário ao útero – este tipo de gravidez pode provocar sangramento, dor e, em casos mais severos, a própria rutura da trompa de Falópio.

Neste tipo de gravidez, ao implantar-se nas trompas de Falópio, o crescimento do feto torna-se impossível, havendo um impedimento do desenvolvimento fetal e um risco severo para a mulher grávida.

Quais as causas da gravidez tubária?

Esta condição ocorre, segundo os especialistas, maioritariamente devido a infeções, inflamações ou irritações que levam à alteração da mucosa tubária, impedindo que o óvulo fecundado se desloque, da forma expectável, através do mesmo.

Existem ainda estudos que relacionam este tipo de gravidez com algumas doenças sexualmente transmissíveis, como a gonorreia ou a clamídia.

As lesões nas trompas de Falópio são, também, uma causa comum do problema, sendo que a gravidez nas trompas tende a ocorrer mais em casos nos quais as mulheres tiveram algum tipo de intervenção cirúrgica nesta região; sofrem de doenças tubárias; tiveram uma gravidez nas trompas anteriormente; ou fizeram uma laqueação.

Independentemente do evento que o despolete, este tipo de situação relaciona-se, principalmente, com alterações no revestimento do canal das trompas de Falópio.

2. Como saber se tenho gravidez nas trompas? Gravidez nas trompas

A única forma de saber que está a viver uma gravidez uterina é através da observação clínica de que não existe um saco gestacional uterino.

Esta constatação, quando acompanhada de um teste gravidez positivo e de sintomas específicos (que enumeraremos mais à frente) é um poderá ser um indicador de gravidez ectópica, incluindo a gravidez nas trompas.

Gravidez nas trompas aparece no exame de farmácia?

Sim. A gravidez nas trompas costuma resultar num teste de gravidez de farmácia positivo, uma vez que a hormona HCG, responsável por este resultado, é libertada no corpo feminino.

Embora a gravidez seja detetada, no entanto, o problema não o será mediante este exame, ficando apenas confirmada a gestação.

Existe crescimento do ventre numa gravidez nas trompas?

O crescimento da barriga como numa gravidez normal não acontecerá. Ainda assim, em alguns casos, uma saliência é percetível no corpo da mulher.

3. Gravidez nas trompas: sintomas, quais são?

O corpo da mulher irá, durante uma gravidez nas trompas, reagir como faria perante uma gestação normal, havendo vários sintomas comuns aos de qualquer outra gravidez.

Ainda assim, haverá igualmente um conjunto de sintomas que indicam que pode existir um problema ou que a gravidez não está – como deveria – a ocorrer no útero. São elas:

– Sensação de dor na região abdominal;
– Dor na região da pélvis;
– Ausência de crescimento abdominal;
– Dor ao urinar e defecar;
– Tonturas;
– Náuseas;
– Sangramento vaginal.

Por norma estes sintomas tornam-se mais evidentes a partir da semana 5 de gestação.

4. Quais os riscos da gravidez nas trompas?

A gravidez nas trompas tem bastantes riscos para a mãe. Neste cenário, e considerando as caraterísticas das trompas de Falópio, existe o risco de que se dê o rompimento tubário, o que pode levar a hemorragias severas e à inflamação abdominal.

Embora existam vários casos de cirurgias bem sucedidas, que conseguem salvar a vida da gestante, esta não deixa de ser uma situação de alto risco, na qual a própria vida da mãe é posta em causa.

Gravidez nas trompas: o bebé sobrevive?

Não. A gravidez nas trompas não permite que o bebé se desenvolva até ao nascimento, sendo impossível a sua sobrevivência.

As trompas de falópio são um canal estreito que, perante o desenvolvimento do feto, acabaria por sofrer uma rutura, o que determinaria, não só o aborto, como o risco de vida para a gestante.

Como é solucionada a gravidez nas trompas?

O acompanhamento médico é fundamental para que o diagnóstico deste tipo de situação seja feito o mais depressa possível.

Uma célere observação da ausência de saco gestacional no útero e consequente descoberta do mesmo nas trompas poderá permitir que se proceda à realização de cirurgias (como é exemplo a videolaparoscopia), antes que exista uma rutura tubária.

Caso o rompimento da trompa de Falópio já tenha ocorrido, na maioria das vezes, é necessária uma intervenção cirúrgica mais invasiva, para proceder à remoção da trompa.

Sabia em que consistia uma gravidez nas trompas. Alguma vez viveu esta situação? Acreditamos que a sua história pode ajudar outras mulheres na mesma situação. Partilhe a sua experiência com as restantes leitoras do Bebé a Bordo.

Algumas fontes: modernmom dictionary medicinenet guiadobebe mayoclinic vix  mdsaude

ARTIGOS REMOMENDADOS

Comente este artigo