Depressão na gravidez, porque estou deprimida?

A depressão na gravidez é menos falada do que a depressão pós-parto mas nem por isso deixa de ser uma realidade para muitas gestantes. Saber as razões que levam a esta depressão gestacional, bem como os principais sintomas e consequências é fundamental para garantir a saúde da mãe e do bebé. Quer saber tudo sobre a depressão na gravidez?

Venha descobrir com o Bebé a Bordo.

Falar em depressão nem sempre é fácil, principalmente quando se trata de gravidez: uma época em que se convencionou que a felicidade e a alegria eram parte dos sentimentos que movem a mulher.

Ainda assim, a preocupação com o bem-estar, não só leva muitas mulheres a questionarem o seu estado de espírito, em perguntas como: “porque me sinto cansada e a bocejar?” ou “qual a razão deste desânimo na gravidez?”; como leva, também, à procura de soluções diversas que podem passar pelas iniciativas físicas (como a hidroginástica ou as caminhadas) ou mesmo tratamentos (como a acupuntura ou a massagem da grávida).

Embora a depressão na gravidez (ou depressão pré-parto) seja uma temática menos recorrente do que a depressão pós-parto, a verdade é que a sua incidência é significativa e que se torna extremamente nociva, quer para a futura mamã como para o feto em desenvolvimento.

Assim, hoje, decidimos debruçar-nos sobre esta questão, para compreendermos melhor o que leva à depressão na gravidez, quais os seus sintomas e formas de tratamento.

Se quer saber mais sobre a depressão na gravidez, este artigo foi feito justamente a pensar em si!

1. O que é a depressão na gravidez? Depressão na gravidez

Depressão e gravidez são duas palavras que podem parecer antagónicas. De uma mulher grávida, espera-se que viva um momento de felicidade, sendo até comum que a recetividade da notícia se faça com algum entusiasmo. Ainda assim, a sensação de alegria e júbilo que muitas mulheres descrevem não é, realmente, o que todas as mulheres sentem.

Durante a gravidez, é possível que a mulher se sinta entrar noutro tipo de emoção. Muitas mulheres descrevem que, para elas, se torna difícil levantar pela manhã, comer ou mesmo retirar prazer de atividades que, antes, gostavam de realizar.

A tristeza, o cansaço e o desânimo tomam conta dos dias destas mulheres. E o cenário indica que é provável que se esteja, assim, perante um caso de depressão gestacional.

Tal como sabemos, em qualquer gestação, as variações de humor são comuns, sendo despoletadas pela mudança a nível hormonal.

Estas mudanças são conhecidas pela forma como sensibilizam as mulheres e despoletam momentos de riso ou de choro. A hipersensibilidade provocada pelas hormonas, no entanto, pode ir mais longe do que meras alterações de humor.

Embora não se saiba concretamente o que provoca a depressão na gestação, sabe-se que esta é mais comum em mulheres que demonstravam ou estavam diagnosticadas, antes da conceção, com casos de depressão; e também em mulheres que se encontram a viver problemas na vida conjugal, que viveram traumas no seu passado ou que contam com condições socioeconómicas mais baixas.

A depressão na gravidez é ainda comum nos casos em que se trata de uma gravidez indesejada.

Vale a pena mencionar que a gravidez na gestação torna mais provável que a mamã venha a sofrer de depressão pós-parto, depois do nascimento do seu bebé.

O desânimo na gravidez é normal?

A falta de ânimo na gravidez é, de facto, bastante comum, embora seja uma condição que merece, sem dúvida, um seguimento especializado.

Estima-se, que, hoje em dia, cerca de 11% das gestantes sofram de depressão na gravidez, sendo que o índice de mulheres grávidas às quais são prescritos medicamentos para a condição é, também, bastante significativo.

“Brincando” com as palavras, no entanto, podemos dizer que, embora seja “comum”, não é conveniente que se veja a depressão na gravidez como algo “normal”, isto porque, se os sintomas forem desvalorizados e se ignorar o estado de espírito da gestante, tal pode trazer consequências muito nocivas, não só para a futura mamã como para o feto, a gestação e o começo da vida do bebé.

2. Quais os sintomas da depressão gestacional?

Os sintomas da depressão na gravidez não diferem grandemente dos sintomas apresentados por outros quadros depressivos. Ainda assim, durante a gravidez, existem também alguns traços particulares, aos quais vale a pena estar atento.

Entre os principais sintomas de depressão gestacional encontramos:

– Desinteresse por atividades que anteriormente eram apreciadas;
– Sensação de tristeza;
– Variações no apetite e no peso da gestante;
– Alteração dos padrões de sono (sensação constante de sonolência ou insónias);
– Demonstração de sentimentos de culpa e de desvalorização;
– Cansaço extremo e falta de energia;
– Falta de capacidade em concentrar-se;
– Pensamentos suicidas.

Estes sintomas fazem-se, com frequência, acompanhar por estados de ansiedade, que podem manifestar-se sob a forma de inquietação, medo, comportamentos compulsivos ou mesmo ataques de pânico.

3. A depressão na gravidez afeta o bebé?

Sim. Embora a depressão no pós-parto conte com um maior leque de estudos científicos, a verdade é que toda a pesquisa realizada até ao momento sobre a depressão na gravidez contou com resultados que apontam para o impacto direto entre a depressão na gravidez e o desenvolvimento fetal.

Recentemente, um estudo holandês do Hospital de Medicina Infantil Erasmus-Sofia, concluiu que a depressão na gravidez leva a um desenvolvimento mais lento do feto. Além disso, é também mais comum que as mulheres com depressão gestacional tenham partos prematuros ou dêem à luz bebés com baixo peso.

Também o risco de que o bebé, após o nascimento, venha a sofrer de depressão, parece aumentar quando as suas mães viveram este tipo de situação durante a gestação. Isto prende-se, segundo um estudo publicado no Science Daily, com a alteração nos padrões de desenvolvimento cerebral durante a gravidez.

4. Depressão na gravidez: como tratar?

Perante todos estes riscos, as perguntas das mulheres começam a surgir – Depressão na gravidez: o que fazer? Desânimo na gravidez o que fazer? Existe algum tratamento para a depressão na gravidez?

O primeiro passo para resolver a depressão na gravidez é, sem dúvida, a procura por ajuda especializada. Ainda que tenha identificado os sintomas, a sua avaliação por um médico ou psicólogo é fundamental, sendo que o acompanhamento clínico será essencial para o futuro de todos os elementos da família.

Alguns centros de saúde pré-natal contam, já, com gabinetes especializados em Psiquiatria Perinatal, que visa justamente dar resposta às necessidades destas mulheres.

O tratamento da depressão na gravidez pode ser feito de várias formas, variando entre sessões de psicoterapia, passando por terapias alternativas, pela criação de novos hábitos e rotinas e, em casos mais severos, pela inclusão de medicamentos antidepressivos (que apenas são prescritos após a análise do binómio risco-benefício).

O médico será a única pessoa capaz de avaliar a situação para determinar qual o melhor curso de tratamento em cada caso particular.

Sofreu ou conhece alguém que tenha sofrido de depressão na gravidez? Quais eram os principais sentimentos e sensações que marcavam esta vivência? A sua experiência pode ser uma grande ajuda para outras mulheres na mesma situação. Partilhe a sua história com as futuras mamãs do Bebé a Bordo.

Poderá gostar de ler também:

–  Anemia gestacional, quais os sintomas da carência de ferro

–  Infertilidade masculina

Algumas fontes: americanpregnancy  healthline babycenter brasil.babycenter  parents oficinadepsicologia
noticias.sapo  rotasaude revistacrescer.globo webmd

ARTIGOS REMOMENDADOS

Comente este artigo