O que é a Febre Amarela, grávida pode ser vacinada?

O que é a Febre Amarela, grávida pode ser vacinada

Algumas doenças – como é o caso da febre amarela – constituem sempre um motivo de preocupação.

Durante a gravidez, no entanto, esta preocupação torna-se mais premente, uma vez que a gestante nem sempre sabe se a vacinação é uma opção viável. Sabe o que é a febre amarela e se a grávida pode ser vacinada?

Venha saber com o Bebé a Bordo.

No que diz respeito à febre amarela, a verdade é que, tirando as mulheres que vivem em zonas endémicas ou que pretendam viajar para uma zona onde esta seja comum, esta não se trata de uma doença que costume estar na mente das gestantes.

Ainda assim, para aquelas que residem em locais onde o vírus é comum ou no caso de precisar de fazer uma viagem de emergência para os países mais afetados, a questão existe e faz todo o sentido: afinal, a grávida pode ser vacinada para a febre amarela?

Tal como o zica e dengue, a febre amarela trata-se de um vírus transmitido através da picada de mosquitos (neste caso o Aedes aegypti) quando este está infetado com a mesma.

Isto gera questões sobre a vacinação e também sobre o uso de repelentes na gravidez, às quais procuraremos dar resposta.

Na verdade, a forma como este vírus afeta a gravidez e o desenvolvimento fetal tem sido alvo de estudo ao longo dos anos mas, até agora, os resultados apresentados não são, ainda, concretos.

Ainda assim, sabendo como é importante que tenha, nesta fase da sua vida, o máximo de informação possível, dedicamo-nos, hoje, a explorar a febre amarela para que saiba o que é, como se transmite e também se a grávida pode ser vacinada.


Acompanhe-nos para saber mais sobre esta matéria.

Febre Amarela

1. O que é a febre amarela?

A febre amarela trata.se de uma doença vírica. É, na verdade um arbovírus, enquadrado no género dos flavivírus.

Esta doença é transmitida por mosquitos infetados, geralmente da espécie Aedes. Clinicamente, esta doença é designada como uma doença hemorrágica viral aguda.

O nome desta doença parte da tonalidade cutânea que surge em muitas das pessoas infetadas, de cor amarelada e conta com sintomas diversos, entre os quais se destacam as náuseas e vómitos, a febre, as dores musculares e de cabeça, o cansaço e a icterícia.

As regiões mundiais onde o vírus é mais comum são as tropicais, considerando-se que as zonas endémicas são, portanto, regiões africanas e também da América do Sul e da América Central.

Embora não exista atualmente nenhum medicamento eficaz na cura desta doença, esta pode ser tratada mediante cuidados hospitalares adequados.

Existe, ainda, uma vacina preventiva, muito eficaz e segura. A vacina, no entanto, não pode ser tomada por todas as pessoas, como veremos adiante.

2. Grávida pode ser vacinada?

No geral, as vacinas não estão proibidas na gravidez.

Ainda assim, esta afirmação refere-se, por norma, às vacinas mais comuns e que possuem, na sua composição, anticorpos inativos, não sendo, por isso, um risco para as mamãs ou para os seus bebés.


Ainda assim, no que diz respeito à febre amarela, estamos perante uma situação diferente.

De facto, como referimos, a vacina é a forma mais eficaz para evitar a febre amarela. Ainda assim, na composição desta vacina existe, vírus vivos.

Assim, a questão de se a grávida pode ser vacinada merece particular atenção.

Existem casos, de facto, nos quais a mulher grávida foi vacinada para a febre amarela.

Ainda assim, a forma como esta vacina afeta a gestação ou o feto não está, ainda, suficientemente estudada e, como tal, os riscos potenciais que apresenta não são conhecidos.

Desta forma, a grávida pode ser vacinada apenas mediante a avaliação e recomendação do seu médico e com a liberação junto de um infectologista.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera que, exceptuando casos em que se assista a um surto desta doença, as gestantes não devem ser vacinadas.

Além das gestantes, recomendam também que não sejam expostos à vacina as mulheres que estejam a amamentar (até o bebé completar 6 meses); os bebés com menos de 9 meses; as pessoas com alergia à proteína do ovo e doentes com HIV.

Além da OMS, também o American College of Obstetricians and Gynecolgists se afirma contra a vacinação da febre amarela em gestantes, com exceção de casos extremos e de inegável necessidade.

3. Dicas de prevenção da febre amarela para a mulher grávida

Assim sendo, e sendo que é desaconselhada a toma da vacina por mulheres grávidas, a recomendação é que as mulheres que vivem em zonas endémicas optem pela toma da vacina alguns meses antes de tentarem engravidar e que as restantes evitem as viagens para as zonas mais afetadas durante os meses de gravidez.

Em todo o caso, o mais indicado, caso pretenda fazer uma viagem para estas regiões, será aconselhar-se junto de um especialista de saúde, avaliando com ele os riscos da toma da vacina.

Residiu ou viajou para alguma zona endémica durante a gravidez? Tomou a vacina da febre amarela? Conte-nos tudo sobre esta experiência.

Algumas fontes: who  biblioteca.cofen  guiadobebe siat.ufba

ARTIGOS REMOMENDADOS

DEIXA UM COMENTÁRIO