Osteopatia e gravidez, quando devo recorrer a um osteopata?

Osteopatia e gravidez não será, talvez, a mais conhecida das relações. Ainda assim, trata-se de uma que faz todo o sentido perante as alterações sofridas pelo corpo feminino nesta fase da vida. Venha conhecer tudo o que há a saber sobre osteopatia e gravidez com o Bebé a Bordo.

A gestação é uma fase maravilhosa e na qual a mulher experiência novas sensações e emoções, que mudarão eternamente a sua vida.

Além das alterações cerebrais e emocionais, no entanto, esta é também uma fase de forte impacto físico e que, muitas vezes, leva as gestantes ao convívio com situações de desconforto e dor.

As dores sentidas durante a gestação afetam grandemente a gestante, podendo dificultar a sua atividade física, levando ao aumento excessivo de peso na gestação ou impedir que estas encontrem a posição ideal para dormir, provocando insónias que aumentam (ainda mais) a sensação de cansaço e fadiga.

As principais mudanças no corpo feminino prendem-se com as alterações hormonais e o aumento de peso, sendo que estes levam, depois, à alteração do equilíbrio e da postura.

O desconforto provocado por todas estas alterações pode ser prejudicial para a futura mamã e, por isso mesmo, todas as formas que possam ajudar a minorá-lo sem colocar em risco a gestação são importantes.

Numa fase onde a automedicação é altamente desaconselhada e na qual medicamentos como o ibuprofeno não poderão ser tomadas (exceto em casos muito específicas e com acompanhamento médico); soluções como a fisioterapia na gestação ou a osteopatia na gravidez podem surgir como soluções.

Foi justamente sobre osteopatia e gravidez que nos ocupámos neste artigo, para compreender o que é e de que forma um osteopata pode ajudar na redução das dores.

Se também quer saber quando deve recorrer a um osteopata, este artigo foi feito a pensar em si.

1. O que é a osteopatia? Osteopatia e gravidez

A osteopatia trata-se de uma forma terapêutica, realizada por imposição das mãos, que se encontra principalmente focada na identificação da raiz dos problemas e no tratamento de patologias e lesões de teor postural e mecânico.

Focando-se na totalidade do corpo da pessoa, esta técnica visa a compreensão da origem da dor e trabalha o corpo, de forma a restaurar o seu normal funcionamento.

2. Qual a relação entre osteopatia e gravidez?

A gravidez é uma fase de mudança para a mulher. Durante a gestação, o corpo feminino sofre alterações hormonais, físicas e emocionais; sendo que muitas destas ultrapassam o campo do visível.

Ao longo dos três trimestres da gestação, o corpo da mulher pode sofrer pequenas lesões que geram dor; sendo ainda possível que o próprio aumento do peso e as alterações no centro de gravidade do corpo provoquem dores intensas em algumas regiões do corpo.

O impacto da gestação sobre a região lombar e da pélvies, por exemplo, pode gerar problemas que vão do simples desconforto até à dor ciática.

Da mesma forma, queixas frequentes das mulheres grávidas são o inchaço nos membros inferiores, as pernas doridas, as sensações de azia e dores no estômago ou o refluxo.

A relação entre osteopatia e gravidez reside, pois, no facto de esta ser uma forma terapêutica que propõe a prevenção e o alívio destas problemáticas.

Além de se propôr a minorar a dor e o desconforto, a osteopatia na gravidez pode ainda ajudar na preparação do corpo para o parto.

Esta está considerada uma prática segura na gestação sendo, no entanto, recomendável que fale com o seu médico antes de visitar um osteopata.

3. Quando se podem iniciar as consultas de osteopatia na gravidez?

Embora osteopatia e gravidez pareçam uma boa ligação, e esta prática se considere benéfica para a gestante, as consultas de osteopatia só deverão ser iniciadas a partir do 2º trimestre, recomendando-se que a gestante comece as consultas depois da 12ª semana.

Se a gestante não sentir necessidade de procurar este tipo de ajuda anteriormente, poderá fazer uma visita ao osteopata apenas para avaliar eventuais desequilíbrios ou restrições que possam constituir dificuldades na hora do parto.

Antes de avançar para a osteopatia, recomenda-se a consulta do médico que acompanha a gestação.

4. Quais os benefícios do recurso a um osteopata na gravidez?

Existem, como mencionámos, inúmeras vantagens no recurso a um osteopata durante a gestação. A osteopatia na gravidez pode ser benéfica em aspetos como:

– Melhoramento da condição física da gestante;
– Alívio de dores e desconfortos corporais;
– Melhoria emocional da futura mãe;
– Preparação do corpo da gestante para o parto;
– Promoção de uma sensação de bem-estar.

Além disso, vale ainda a pena mencionar que todo o alívio sentido na osteopatia parte de uma terapêutica manual, não existindo o recurso a qualquer tipo de medicação.

Recorreu a um osteopata durante a sua gestação? Conhecia a relação entre osteopatia e gravidez? Conte às restantes leitoras do Bebé a Bordo como foi a sua experiência pessoal.

Algumas fontes: strawberryhouseclinic preeposparto osteogoodhealth bellybelly gimnogravida bebe.abril

ARTIGOS REMOMENDADOS

Comente este artigo