Grávida pode fazer drenagem linfática?

Inchaço, celulite e retenção de líquidos: três realidades às quais nenhuma gestante se habitua e que lhe causam incómodo e mal-estar. Nesta fase, a drenagem linfática surge como uma opção e são muitas as mulheres que desejam fazê-la. Mas sabe se a grávida pode fazer drenagem linfática?

Venha saber com o Bebé a Bordo.

A promoção da circulação sanguínea, a melhoria do inchaço provocado pela retenção de líquidos e a redução da celulite são algumas das promessas da drenagem linfática.

Muito útil na resolução destes problemas, em qualquer fase da vida, este método parece ganhar fãs na altura da gravidez, quando problemáticas relacionadas com a retenção de líquidos e o aparecimento da celulite gestacional se anunciam.

Ainda assim, numa época da vida em que tudo (ou quase tudo) é questionado, este tipo de tratamento não pode ser uma exceção e, por isso mesmo, são muitas as mulheres grávidas que se questionam quanto à possibilidade de realização do mesmo durante a gravidez, perguntando quais serão os benefícios e os riscos associados com a drenagem linfática.

Sabendo como esta técnica pode ser útil para as futuras mamãs e no desejo de as ajudar a saber tudo sobre a mesma, dedicamos o presente artigo às questões: será que a grávida pode fazer drenagem linfática?

Haverá algum risco associado a esta técnica?

Se está a pensar recorrer a este tipo de tratamento, acompanhe-nos e descubra, também, se a grávida pode fazer drenagem linfática.

1. Drenagem Linfática: O que é?

Originária da Europa, a técnica da drenagem linfática é já antiga e consiste, fundamentalmente, numa espécie de massagem que traz inúmeros benefícios às pessoas que a ela recorrem.

Esta prática visa, no fundo, a eliminação das obstruções dos vasos linfáticos, a redução do inchaço corporal, a redução dos efeitos da retenção de líquidos e a eliminação de toxinas.

Através desta, e uma vez que se dá a estimulação dos gânglios, espera-se uma melhoria do funcionamento do sistema circulatório e um alívio de um conjunto alargado de sintomas que causam desconforto a muitas mulheres.

Mais do que uma massagem tradicional, a drenagem linfática exige o recurso a profissionais especializados, sendo perigosa caso os movimentos não sejam leves e realizados da forma correta.

Grávida pode fazer drenagem linfática

2. A grávida pode fazer drenagem linfática?

Embora seja uma prática desaconselhada durante o primeiro trimestre da gestação, a verdade é que, durante a gravidez, a drenagem linfática pode ser muito útil para a mulher grávida.

No geral, apenas um médico pode dizer se a grávida pode fazer drenagem linfática, uma vez que, apesar de todos os seus benefícios, existe um conjunto de gestantes que, por razões diversas, não poderão recorrer a esta técnica.

Quando liberada por um profissional de saúde, no entanto, a gestante terá muitas vantagens ao recorrer a este tratamento.

Através da massagem, a gestante verá, pois, uma melhoria do seu sistema circulatório, gozará de uma melhor oxigenação dos tecidos, verá melhorias visíveis no inchaço provocado pela retenção de líquidos gestacional; eliminará as toxinas acumuladas através da urina; e terá melhorias ao nível da pele, nomeadamente no que diz respeito à celulite gestacional.

Além disto, quando o médico diz que a grávida pode fazer drenagem linfática, é muito provável que esta sinta, ainda, o alívio das dores, da tensão e do desconforto, sendo promovida uma sensação geral de bem-estar.

Nos casos liberados pelo médico – ou seja, quando não existem situações de risco que possam ser agravadas pela drenagem linfática – esta apresenta-se como um procedimento seguro para o bebé, sendo que os terapeutas não costumam estimular qualquer região próxima do bebé.

A massagem durante a gravidez

3. Quando é que a grávida não pode fazer drenagem linfática?

Como já referimos, os médicos nem sempre irão permitir que a gestante realize a drenagem linfática e é realmente essencial que, antes de avançar para este tratamento, a grávida esteja devidamente autorizada.

No primeiro trimestre, as gestantes são, por norma, desaconselhadas de recorrer a este tratamento.

Além disto, os médicos desaconselham esta prática também em casos de gravidez de risco; quando a gestante sofre de hipertensão gestacional; em casos de trombose venosa profunda; quando existe algum tipo de problemática relacionada com o sistema linfático e também em casos de insuficiência renal.

Os riscos de avançar para este tipo de tratamento sem o aconselhamento médico podem ir da indução precoce do parto ao aborto espontâneo.

Realizou drenagem linfática durante a gestação? Antes de o fazer, aconselhou-se junto do seu médico? Conte-nos como viveu esta experiência.

Algumas fontes: tuasaude  maemequer gestacaobebe  bebe.abril revistacrescer.globo

ARTIGOS REMOMENDADOS

Comente este artigo