Perigos do flúor: será uma neurotoxina?

Os perigos do flúor têm vindo a ser estudados cientificamente e existem vários alertas para a supressão do seu uso quotidiano, incluindo por crianças. Sabe quais são os perigos do flúor?

Venha descobrir com o Bebé a Bordo.

A preocupação com os dentes do bebe inicia-se bastante cedo. Não é incomum que, entre as primeiras questões dos pais, se encontrem as relativas a quando o bebé deve ir ao dentista pela primeira vez ou sobre a higiene oral dos primeiros dentes do bebé.

Uma prática comum dos pais, e apoiada pelos próprios especialistas até há cerca de uma década atrás, era o uso do flúor para promover a saúde dentária da criança e evitar as cáries.

Nos últimos anos, vários estudos (e respetivos resultados) têm criado uma discussão científica muito controversa, onde se debatem os benefícios e os perigos do uso dos suplementos de flúor e dos dentífricos com flúor.

A comunidade científica não parece chegar a acordo quanto a esta questão, mas apresentam-se argumentos bastante preocupantes pelos defensores dos perigos do flúor, sendo este, inclusivamente, apresentado como uma neurotoxina. Venha saber quais os perigos do flúor segundo os estudos realizados.

Perigos do flúor: será uma neurotoxina?

1. O que é uma neurotoxina?

Antes de compreendermos os argumentos dos estudos, torna-se necessário explanar o que é uma neurotoxina. Um elemento neurotóxico trata-se de um composto que age no sistema nervoso, alterando o seu natural funcionamento, de forma nociva.

O flúor é neurotóxico?

Alguns dos estudos realizados têm demonstrado que o flúor pode ser, de facto, uma neurotoxina. Na verdade, em vários países do mundo, este deixou de ser utilizado ou passou a ser usado com maior moderação. (1)

2. Quais os países que não permitem o uso de flúor?

O uso deste composto é proibido em vários países do mundo, estimando-se que cerca de 95% dos países tenham imposto normas rígidas sobre a sua utilização.

Entre estes, temos vários países, incluindo a Bélgica, a Alemanha, a Noruega, a Holanda, a Áustria, a China, o Japão e várias regiões africanas. (2)

Como se manifesta este cuidado internacional?

O flúor, além da sua comercialização para fins dentários, era também utilizada nos tratamentos das águas, num processo conhecido como fluorização da água.

Além dos vários produtos dentífricos lançados sem flúor, também este processo deixou de ser feito ou passou a ser feito com maior moderação.

Esta política foi implementada devido ao potencial tóxico do flúor e aos vários riscos que a ciência associou ao seu consumo. Além disso, a ausência de provas científicas quanto aos benefícios do flúor para o combate às cáries contribuiu, também, para a sua proibição em vários países.

3. Quais são os perigos do flúor?

Embora mais estudos precisem de ser realizados, a pesquisa científica existente, baseada em investigação junto de população humana e animal, aponta para que o uso do flúor não seja recomendado.

A ciência aponta para vários perigos associados ao consumo de flúor, incluindo:

– Potencial de provocar problemas ósseos, incluindo a osteoporose;
– Potencial de causar dano aos dentes;
– Associação a casos graves de fluorose dentária;
– Potencial causador de doenças cancerígenas; (3)
– Evidência de que possa promover menores índices de Q.I.

Costuma dar flúor ao seu filho? Já conhecia os potenciais perigos do flúor? Partilhe a sua opinião sobre esta temática com os demais leitores do Bebé a Bordo.

ARTIGOS REMOMENDADOS

Comente este artigo