Dicas para falar com os seus filhos sobre os piolhos

Falar com os seus filhos sobre os piolhos é muito importante. Além do problema efetivo, é preciso recordar o estigma em torno desta questão e criar uma comunicação viável, que explique à criança o que são, como se apanham e como evitá-los.

Se também acredita que falar com os seus filhos sobre os piolhos pode evitar alguns problemas sociais da criança, venha saber algumas das dicas do Bebé a Bordo para comunicar sobre este problema. 

Não se trata de uma doença e é apenas por isso que os piolhos não se encontram entre as doenças mais comuns nos infantários. De facto, esta situação é muito comum e gera mais do que os problemas efetivos causados pelo parasita, já que continua a existir, apesar de toda a informação, um estigma social inerente a este problema. 

Ainda que procure as melhores respostas sobre infestação de piolhos e lêndeas, o facto é que as crianças viverão a sua infância de uma forma despreocupada e que despoleta, com facilidade, a transmissão parasitária. 

A par com esta, a criança acabará, muitas vezes, por ser enviada para casa, para fazer o tratamento dos piolhos, criando nesta alguns problemas emocionais, que decorrem do afastamento dos seus pares e também de situações de bullying muitas vezes geradas pelo próprio estigma social que circunda esta problemática. 

Muitos pais acreditam que lavar a cabeça do bebé todos os dias poderia, eventualmente, ser a solução do problema. Ainda assim, como sabemos, os piolhos não surgem, na maioria das situações, por falta de higiene. 

Assim, torna-se muito importante dar resposta ao problema, não só através de uma ação de tratamento para piolhos e lêndeas, mas também mediante uma comunicação onde possa falar com os seus filhos sobre os piolhos e contribuir, assim, para reduzir as situações de estigma gerados por este problema tão comum. 

Venha conhecer algumas dicas para falar com os seus filhos sobre piolhos. 

falar com os seus filhos sobre os piolhos

1. Dicas para falar com os filhos sobre piolhos: explique que a culpa não é deles

O primeiro passo, quando a criança vai para casa devido a um problema de piolhos, é explicar à criança que esta não tem culpa da situação. 

Provavelmente, devido ao estigma social em torno da questão, a criança já terá sentido o oposto, sendo muito comum que os pares (e até mesmo alguns responsáveis) façam associações maliciosas sobre a questão, assumindo uma má higiene da criança. 

As crianças conseguem ser particularmente cruéis neste aspeto, afastando-se da criança com piolhos ou fazendo sobre ela comentários e piadas depreciativas, que levam ao seu isolamento. (1

Assim, enquanto pais, é importante explicar à criança que ela não tem mais culpa de ter apanhado piolhos do que teria de apanhar uma gripe ou uma constipação. 

2. Explique que é um problema muito comum

Perante o estigma criado em torno da questão dos piolhos e lêndeas, torna-se muito importante explicar que os piolhos são um parasita mas que, além de não serem muito perigosos, estes são, também, muito comuns. 

Explique que é usual que as crianças apanhem piolhos e que a solução do problema é bastante simples, cabendo aos adultos manterem-se atentos para evitar que o problema prolifere e se torne mais severo. 

3. Explique que não tem a ver com a higiene

Ainda como parte da explicação sobre a ausência de culpa da criança, poderá ser útil explicar que as piadas depreciativas dos pares não fazem sentido. 

É muito comum que as crianças, entre si, apontem dedos: “ele tem piolhos porque não toma banho” ou “tem piolhos porque não lava a cabeça”. (2

É importante explicar que não existe uma relação direta entre as infestações de piolhos e a falta de higiene, sendo este um problema que pode afetar qualquer pessoa. 

4. Dicas para falar com os filhos sobre piolhos: Diga-lhes como acontece o contágio

Explique ao seu filho que os piolhos passam, por norma, de cabeça em cabeça, através da partilha de objetos contaminados ou com pessoas que tenham as suas cabeças infestadas. 

Assim, aconselhe o seu filho a evitar o contacto com a cabeça de outras pessoas e explique que a partilha de escovas, de chapéus ou bonés pode ser responsável por este tipo de situação. (3

5. Ensine-os a prevenir a situação

Explicar à criança como os piolhos proliferam poderá ser útil para permitir que o seu filho permita que lhe corte o cabelo mais curto ou que faça inspeções periódicas à sua cabeça. 

Este acompanhamento poderá ser muito útil para prevenir eventuais infestações e ajudará a garantir que a criança o acompanha neste processo. 

Além disso, deve recomendar ao seu filho que evite a partilha de objetos de uso pessoal, como escovas ou chapéus. 

6. Explique-lhes como identificar o problema

Dizer aos nossos filhos que é importante falarem sobre as sensações que possam estar relacionadas com piolhos, é muito importante. 

Assim, devemos recomendar às crianças que mencionem sempre quando têm comichão na cabeça, em especial se esta estiver localizada nas zonas da nuca ou atrás das suas orelhas. 

Se a criança souber que deve falar sobre o assunto, é provável que o problema seja identificado mais depressa. 

7. Dicas para falar com os filhos sobre piolhos: Explique o tratamento e promova o respeito pelos colegas

Explicar que, além de comum, o problema dos piolhos pode ser resolvido depressa – com champôs próprios, sprays, loções ou mesmo pentes eletrónicos – é muito útil para que a criança se sinta mais segura. (4

floris pente elétrico piolhos

Além disso, deve explicar que os mesmos tratamentos são feitos aos seus colegas quando o problema surge e que não devem, por isso, fazer com que os seus pares se sintam mal pela situação. 

Tal como anteriormente explicou que o seu filho não tinha culpa do problema, deverá agora explicar que também os colegas são vítimas da situação, promovendo o respeito pelas outras crianças que possam passar por esta situação. 

Alguma vez falou com os seus filhos sobre os piolhos? Como explicou esta situação? Conte a sua experiência às restantes mamãs do Bebé a Bordo. 

Poderá ter interesse também em:

Picada de mosquito em bebé, como tratar

ARTIGOS REMOMENDADOS

Comente este artigo