Como ensinar o valor do dinheiro às crianças, guia por idades

Ensinar o valor do dinheiro às crianças, guia por idades, faz este tipo de exercício?

As questões relacionadas com as finanças fazem indubitavelmente parte do nosso quotidiano. Ensinar o valor do dinheiro às crianças torna-se, por isso, fundamental para que as ensinemos a gerir a vida e a acostumar-se à dinâmica do nosso mundo. Sabe como ensinar o valor do dinheiro às crianças consoante a sua idade?

Então, está na hora de descobrir com o Bebé a Bordo.

Quando a família está prestes a aumentar, é hora de fazer contas à vida.

Despesas maiores, como a lista de aquisições fundamentais quando se tem um bebé ou custos associados à sua chegada fazem parte das preocupações dos pais.

Muitos tentam mesmo descobrir quanto irão gastar com os produtos quotidianos, como as fraldas ou as toalhitas.

Com uma sociedade fortemente ancorada na economia e sendo impossível escapar à dinâmica financeira do nosso mundo, a aprendizagem no que diz respeito ao dinheiro, ao seu uso e à sua poupança é fundamental para toda a gente… incluindo os mais pequeninos.

Começar desde cedo a ensinar as principais noções da gestão de dinheiro poderá ajudar o seu filho a controlá-lo melhor no futuro, o que será uma mais-valia no seu percurso pessoal e profissional.

Se também quer saber como ensinar o valor do dinheiro às crianças, não deixe de ler o nosso guia por idades.

Ensinar as crianças a poupar

As capacidades desenvolvidas pelas crianças ao longo do tempo são fundamentais para garantir que estas superam os vários desafios trazidos pelo mundo na sua idade adulta.

Como tal, a aprendizagem no que diz respeito à gestão do dinheiro e à poupança é uma parte importante do desenvolvimento das crianças, devendo ser estimulada desde cedo.

Quando se começa desde os primeiros anos a ensinar o valor do dinheiro às crianças, estas passam a ter acesso às bases fundamentais da economia e a orientar o seu desenvolvimento pessoal para noções como a poupança e o investimento.

Aos poucos, mostrar às crianças a base da gestão de um orçamento familiar fará com que estas cresçam melhor preparadas para enfrentar situações da vida real e com que compreendam de uma forma mais efetiva o valor do dinheiro e a forma como este é ganho.

Várias situações do quotidiano – como idas ao banco ou até ao multibanco – podem servir de alavanca para este tipo de ensinamento.

Ainda assim, para ensinar o valor do dinheiro às crianças, é importante que saiba como fazê-lo em cada idade.

Guia para ensinar o valor do dinheiro às crianças

Ensinar o valor do dinheiro às crianças é um processo que passa por diversas fases, mediante as necessidades, as capacidades e o entendimento das mesmas.

Assim, consoante a idade, os métodos irão alterar-se e a responsabilidade da criança no processo tenderá a crescer.

Esta é a nossa proposta de como pode ensinar o valor do dinheiro às crianças, considerando a sua faixa etária.

Ensinar o valor do dinheiro às crianças dos 0 aos 2 anos

Mesmo antes de o bebé nascer, os seus pais já terão feito algum tipo de plano sobre o seu percurso financeiro.

Muitas vezes, isto equivale à abertura de uma conta bancária que, ao longo dos anos, será aumentada em momentos apropriados, para que o dinheiro possa ser rentabilizado mediante os lucros oferecidos pela instituição bancária.

Este primeiro passo, no qual o bebé não terá, ainda, qualquer noção do dinheiro, é, desde longo, uma mostra do empenho dos pais no processo de ensinar o valor do dinheiro às crianças, demonstrando uma preocupação com o futuro das suas economias.

Ensinar o valor do dinheiro às crianças dos 2 aos 6 anos

A partir dos dois anos, no entanto, ensinar o valor do dinheiro às crianças deixa de ser um processo unidirecional. A partir desta idade, as crianças devem ser envolvidas e fazer parte de momentos chave onde o comportamento dos pais relativamente ao dinheiro está presente.

Aprendendo por imitação e absorvendo os princípios dos pais, a criança poderá estar presente em momentos nos quais a gestão financeira é feita, devendo ser explicada a noção entre o desejo e a necessidade.

Contos infantis onde a necessidade de poupança é evidente (por exemplo, “A cigarra e a formiga”) serão bons para que os mais pequenos compreendam que é importante gerir os bens.

Da mesma forma, aos poucos, pode começar a impor esta ideia, oferecendo um mealheiro ao seu filho e oferecendo, pontualmente, moedas para que este comece a “poupar” por si mesmo.

Nesta fase poderá também incluir a questão do dinheiro nas brincadeiras. Simular situações, como ida a espaços comerciais, incluindo a parte do pagamento das contas respetivas irá dar à criança uma melhor noção do funcionamento da economia.

Ensinar o valor do dinheiro às crianças dos 6 aos 9 anos

A entrada para a primária corresponde à fase em que as crianças começam, efetivamente, a gerir dinheiro. Muitos pais iniciam, nesta fase, o hábito da semanada, que deverá ser dada sempre no mesmo dia e em forma de recompensa.

A gestão desta semanada ficará ao encargo da criança, mas é importante que os seus objetivos estejam concretamente definidos e que não seja oferecido mais dinheiro à criança, para que esta possa entender melhor os limites do dinheiro e que este não se trata de uma fonte inesgotável.

Ensinar o valor do dinheiro às crianças dos 9 aos 13 anos

Por esta altura, a criança já terá começado a compreender que o dinheiro não vem com facilidade e que não se pode adquirir tudo o que se quer sem um momento de introspeção.

Ainda assim, nesta idade, será uma boa fase para reformular a questão do desejo e da necessidade, explicando que nem tudo pode ser adquirido, sendo fundamental uma tomada de decisões com base nas necessidades efetivas.

Além disso, nesta fase, é importante que a criança comece a perceber o valor e o preço das coisas, tendo em consideração vários aspetos: será que este produto é essencial para a minha vida?

Será que este produto compensa, considerando que traz menos quantidade? Será que vale a pena comprar o produto de marca, se o de marca branca for mais barato? Estes são exercícios que pode fazer, falando com o seu filho nas idas ao supermercado.

Por volta dos 11 anos, para dificultar um pouco o processo e obrigar o seu filho a gerir o seu dinheiro, poderá transformar a sua semanada numa mesada.

Esta poderá ser dada em dinheiro ou através de um cartão de débito, sendo que, se optar pela segunda, é importante que analisem em conjunto os extratos mensais.

Estes são alguns dos truques que pode aplicar no momento de ensinar o valor do dinheiro às crianças. Usou algum deles com o seu filho? Conte aos restantes leitores do Bebé a Bordo qual foi o seu método para ensinar o valor do dinheiro às crianças.

Algumas fontes: daveramsey theguardian lifestyle.sapo moneysmart eco

ARTIGOS REMOMENDADOS

Comente este artigo