Traumas de infância – sinais que os caraterizam

Os traumas de infância podem manifestar-se de diversas formas. Venha com o Bebé a Bordo conhecer alguns dos sinais que caraterizam esta situação.

A infância é uma fase absolutamente decisiva no que diz respeito à saúde mental e física de um indivíduo. Atos tão simples quando ensinar o seu filho a usar palavras de cortesia podem ter um forte impacto na forma como este viverá a vida e se relacionará com outros.

As marcas deixadas por situações como o stress na infância ou as obrigações excessivas, bem como situações de alienação parental motivadas por uma separação podem deixar marcas permanentes na criança, a nível comportamental mas também físico e psicológico.

Numa fase de desenvolvimento do “self” e de construção identitária, as experiências são fundamentais. Por isso mesmo, não é incomum que situações de extremo stress ou vivências negativas nesta faixa etária resultem em traumas de infância, que devem ser identificados e que podem exigir uma intervenção terapêutica.

Muitos centros passaram a incluir um sistema de sensibilização face a este tipo de trauma, no sentido de considerar os traumas infantis como uma situação clínica, que necessita de ser tratada. (1)

Embora este tipo de trauma não implique obrigatoriamente uma vida menos positiva, conhecer os sinais que caraterizam estes traumas pode ser fundamental para motivar a terapia necessária e, assim, minorar o seu impacto.

Venha conhecer alguns dos sinais que caraterizam os traumas de infância.

1. A pessoa é muito introvertida

Um dos traços de personalidade que frequentemente aponta no sentido de que o indivíduo tem um trauma de infância é a inibição face a outros. (2)

Neste caso, o indivíduo terá dificuldade em relacionar-se socialmente e, especialmente, eu auto-afirmar-se ou marcar uma posição. Estas pessoas tendem a ser muito fechadas e a isolar-se, bem como a desenvolver problemas de comunicação. Usualmente, evitam ser o centro das atenções, tentando passar despercebidas.

2. O indivíduo demonstra irritabilidade

A raiva, a irascibilidade, a irritabilidade e até algum tipo de agressividade nas palavras e nos gestos podem ser sinais de um trauma de infância.

Usualmente, estas caraterísticas fazem-se acompanhar de um permanente estado de tensão e num personalidade explosiva, ainda que a agressividade não seja, de forma explícita, violenta.

3. A pessoa tem problemas de autoestima

Os traumas de infância também podem resultar numa grande manifestação de baixa autoestima. Estas pessoas tendem a repudiar elogios e a rebaixar-se face a outros, acreditando que não são boas o suficiente. (3)

O facto de acreditarem na sua inferioridade pode também ter o efeito contrário, fazendo com que as pessoas tentem demonstrar superioridade para esconderem a baixa autoestima.

4. O indivíduo assume sempre a culpa

Usualmente, os traumas de infância resultam numa permanente situação de culpa, uma vez que a pessoa – já com uma baixa autoestima – acredita que todas as suas ações podem ser prejudiciais ou incomodar o outro.

Os pedidos de desculpa constantes e em situações despropositadas ou desnecessárias podem, assim, demonstrar um trauma de infância.

5. São pessoas conflituosas ou que repudiam o conflito

O trauma de infância pode motivar duas situações antagónicas, sendo usualmente provenientes de cenários de agressão durante a infância, como o bulling, ou de ter vivido em situação violência doméstica.

Estas pessoas tendem a gerar uma forte aversão ou uma obsessão pelas situações relacionadas com o conflito, fugindo constantemente delas ou motivando-as frequentemente.

Já conheceu alguém com um trauma de infância? Que traços caraterizavam essa pessoa? Conte aos restantes leitores do Bebé a Bordo.

ARTIGOS REMOMENDADOS

Comente este artigo