Haverá mais do que um idioma para o choro do bebé?

O choro do bebé não é sempre igual e qualquer mãe saberá dizê-lo. Mas haverá alguma diferença no choro consoante o idioma nativo do bebé?

Venha descobrir com o Bebé a Bordo.

As mães têm uma capacidade incrível para discernir entre os tipos de choro do bebé. Acusam, com facilidade, que este é motivado pelo sono do recém-nascido, pela fome, por mera birra ou pelas cólicas do bebé.

Atentas a pormenores, estas mães conseguem distinguir, nos próprios filhos, diferenças entre os choros que estes fazem ao longo do dia. 

Mas, afinal, será que é apenas entre situações que o choro se altera? Poderá haver diferenças também entre bebés de diferentes nacionalidades? Será que o idioma nativo do país de nascença altera a forma como o bebé se manifesta pelo choro?

Estas foram algumas das perguntas que os cientistas colocaram e as respostas foram surpreendentes. Venha descobrir mais sobre o idioma do choro do bebé.

Haverá mais do que um idioma para o choro do bebé?

O estudo que se debruçou sobre o choro do bebé e os idiomas

Estudos antigos determinavam que, mesmo no útero materno, os bebés conseguiram fazer a distinção sonora das palavras proferidas pela mãe, iniciando o seu contacto com a linguagem. (1)

Recentemente, um estudo alemão partiu desta ideia para tentar compreender se a familiarização com o idioma nativo se manifestava, de alguma forma, no choro dos bebés.

Este estudo, levado a cabo pela Dr. Kathleen Wermke, especializada em biologia e antropologia médica, na Universidade de Würzburg partiu da gravação do choro de recém-nascidos para perceber as alterações nos gemidos por estes entoados. (2)

A conclusão foi de que havia, no choro dos bebés, uma tentativa de imitação dos sons do idioma nativo.

Outros estudos sobre o tema

Embora este seja o estudo mais recente, as pesquisas sobre esta temática já contam com alguma literatura, sendo que, em 2009, outro estudo tinha já concluído que as melodias do choro dos bebés poderiam refletir a do idioma percebido pelo bebé durante o tempo da gestação.

Bebés alemães, por exemplo, tenderiam a chorar com uma cadência de entoação decrescente, como é comum na língua germânica; enquanto bebés franceses fariam o contrário, seguindo a tendência da linguagem francófona. Já os bebés suecos parecem conferir uma tonalidade mais melodiosa aos seus choros. (3)

Potenciais usos deste conhecimento

Os especialistas parecem acreditar que o mapeamento dos diferentes choros do bebé podem vir a ser úteis, além da curiosidade, para o diagnóstico precoce de problemas relacionados com a saúde do bebé.

Eventuais problemas de audição, por exemplo, podem vir a ser mais facilmente identificados com base nas descobertas destes estudos. (4)

Sabia que o choro do bebé segue o idioma nativo? Conte a sua opinião sobre estes estudos aqui, no Bebé a Bordo.

ARTIGOS REMOMENDADOS

Comente este artigo