Depressão infantil: sabe como identificar?

Depressão infantil, sabe como identificar?

A depressão é um dos maiores desafios do século XXI e a depressão infantil faz parte deste problema. Sabe como identificar e tratar a depressão infantil? Então, está na hora de ficar a saber tudo sobre este problema que tanto afeta as nossas crianças.

De pequeninas, as crianças começam a dar-nos indicações claras quanto ao seu bem-estar e, atentos a pequenas mudanças, os pais orientam as atividades para dar resposta às necessidades dos seus filhos.

Pequenos gestos, como ler em voz alta ou criar uma rotina do deitar para a criança podem favorecer um crescimento saudável e feliz.

Ainda assim, não é raro que os pais dêem por si à procura dos traços do perfil de uma criança com baixa autoestima ou que comecem a notar, nos filhos, a partir de certa idade, uma aparência mais triste e fechada.

Embora não seja uma temática muito falada, a verdade é, pois, que a depressão infantil existe e faz parte do quotidiano de muitas crianças.

Sabendo como é importante identificar os sinais deste problema, dedicámos este artigo à compreensão das formas de identificação deste problema de saúde infantil.

Se também quer saber mais sobre a depressão infantil e deseja descobrir como pode identificar este problema, este artigo é justamente para si!

1. O que é a depressão infantil?

Mais do que um estado de tristeza ou apatia, a depressão infantil apresenta-se como uma verdadeira perturbação psiquiátrica, que envolve mudanças na sua disposição.

Levando a criança a sentir que não tem valor, este quadro clínico faz com que esta se isole, apresentando um humor deprimido, estados de irritabilidade, momentos de instabilidade e também queixas físicas (como dores de barriga ou dores de cabeça).


Nas crianças, a depressão é igualmente comum em meninas e meninos, sendo que, à medida que estas crescem, se torna estatisticamente mais frequente encontrar o problema em adolescentes do sexo feminino.

Dados recentes, emitidos pelo Manual de Diagnóstico e Estatística das Doenças Mentais, estimam que, na América, a depressão atinja entre 2 e 5% da população mais jovem.

2. Quais as principais causas da depressão infantil?

Existem várias causas possíveis para a depressão infantil, sendo que a mais comum será a resposta a uma situação ou evento traumático.

O divórcio ou a separação dos pais, o abandono por parte de um (ou dos dois) progenitores, situações que impliquem a presença da criança durante a doença prolongada de um familiar ou a morte de um ente-querido são alguns dos principais motivadores da depressão em crianças.

Além do fator traumático, no entanto, estudos remetem para a ideia de que exista também uma componente genética a influenciar a depressão infantil, sendo esta mais comum em crianças cuja família conte com um histórico de depressão.

O contacto com situações em que terceiros lidem com a depressão pode, também, motivar um cenário depressivo na criança.

3. Como identificar a depressão infantil?

Conseguir compreender um cenário de depressão infantil é fundamental para que os pais possam agir sobre a questão e apostar no tratamento do seu filho.

A identificação da depressão infantil na criança pode ser feitas através da identificação de alguns dos seus sintomas, sendo que os pais deverão ficar principalmente atentos caso a criança:

– apresente uma constante tristeza;
– tenha um choro frequente e um humor depressivo;
– apresente instabilidade na sua forma de estar:
– demonstre irritabilidade;
– tenha dificuldade em dormir ou durma durante períodos demasiado longos;
– tenha dificuldade em comer ou coma demasiado;
– se isole dos pares;
– demonstre falta de concentração;
– tenha uma baixa autoestima;
– revele sinais de fadiga ou de falta de energia;
– se queixe frequentemente de dores de barriga e/ou cabeça;
– demonstre desinteresse pelas brincadeiras que anteriormente a entusiasmavam;
– comece a apresentar problemas de concentração e/ou baixe o rendimento escolar.

4. Como é feito o tratamento deste tipo de depressão?

Sendo que nenhum dos sintomas da depressão infantil é exclusivo deste problema, encontrar o problema pode apenas ser feito mediante avaliação e análise dos vários sintomas.


A frequência e a duração destes sintomas será tida em conta, bem como a sua intensidade e a forma como se manifesta.

Em alguns casos, mediante a consulta de um especialista, alguns exames e testes psicológicos poderão ser pedidos antes de se avançar para o tratamento do problema.

Em algumas situações, ao identificarem o problema, os especialistas poderão recorrer a fármacos, sendo que os mais comuns costumam ser os psicofármacos, sob a forma de estabilizadores de humor e de antidepressivos.

Ainda assim, a grande maioria dos médicos prefere, quando identifica a depressão infantil, investir na psicoterapia individual e familiar, bem como no acompanhamento continuado da criança.

O seu filho sofre ou já sofreu de depressão infantil? Como identificou este problema? Conte às restantes mamãs do Bebé a Bordo como lidou com a situação e qual foi o impacto que a mesma teve na sua vida familiar. Por certo, a sua experiência será muito útil para outras pessoas na mesma situação.

Algumas fontes: rotasaude webmd psycom oficinadepsicologia minhavida

ARTIGOS REMOMENDADOS
ARTIGOS REMOMENDADOS

Comente este artigo