Crianças devem usar braçadeiras ou bóias, coletes serão os mais seguros?

Crianças devem usar braçadeiras ou bóias, coletes serão os mais seguros

Quando o verão se aproxima, algumas preocupações intensificam-se. Quando a criança não sabe nadar, isto significa questionar a segurança de braçadeiras ou bóias, bem como os coletes de água. Se quer viver dias mais tranquilos na piscina e na praia, mantendo os seus filhos seguros, venha com o Bebé a Bordo descobrir se as crianças devem usar braçadeiras ou bóias.

O verão é, provavelmente, a estação favorita dos portugueses.

Com o aquecer do tempo e o aparecimento dos primeiros raios de sol, é rara a família que não inicia os seus rituais estivais, estendendo toalhas na praia.

Claro que, nesta época, não existem só risos e alegrias. Existem – e em grande escala – preocupações. E estas são maiores quando existem crianças pequenas.

Ao falarmos em preocupações, falamos nas questões relacionadas com a temperatura, como a alergia ao calor e os seus efeitos; de questões relacionadas com o sol, como qual será o melhor protetor solar para o bebé; e também com questões relacionadas com o oceano e o perigo de afogamento, questionando quando se deve iniciar a criança na natação e até que ponto são seguros os métodos flutuantes mais conhecidos – as braçadeiras, as bóias e os coletes.

Sendo o afogamento a terceira causa mais comum da mortalidade mundial, esta última dúvida parece-nos muito pertinente.

Na verdade, só em Portugal, a média estimada de mortes e internamentos por afogamento entre os anos 2002 e 2008 ascendia a 54 crianças por ano.

Além dos casos fatais, esta situação origina, também, sequelas neurológicas de gravidade elevada em alguns dos sobreviventes.

Assim, e considerando a importância que deve ser dada a estes valores, dedicámos este artigo à pesquisa sobre o uso de braçadeiras ou bóias por parte das crianças.


Venha descobrir quais serão os mais seguros e como pode garantir que o seu filho brinca em segurança na água durante os meses de verão.

1. Tipos de produtos flutuantes para crianças colete salva vidas

Existem, no mercado atual, diversas opções para quem quer garantir a segurança das crianças na água.

Com configurações e especificidades distintas, este tipo de produto procura garantir que a criança não se afunde na água.

Ainda assim, como seria de esperar, pelas suas diferentes caraterísticas, estes produtos apresentam diferentes formas de proteger a criança e têm os seus benefícios e as suas debilidades.

O primeiro tipo de flutuante e também um dos mais comuns nas nossas praias são as braçadeiras.

Estas “bóias de pôr no braço” destacam-se pela forma como são fáceis de colocar.

Idealmente estas devem ser postas no braço da criança, sob o seu ombro e deverão ficar justas.

Estas bóias, no entanto, impedem que a criança consiga movimentar corretamente os braços, o que impede que a criança aprenda a nadar.

Se usar este método, lembre-se que a braçadeira deve adequar-se ao peso da criança, ser cheia já no seu braço para ficar justa, ter pipos que permitam o controlo da saída de ar e ser garridas.

Coloque-as mesmo que o seu filho esteja a brincar apenas nas imediações do mar ou da piscina.


As bóias de cintura, que tomam configurações distintas, podendo ter espaços para as perninhas da criança, ser redondas ou apresentar-se com formatos aliciantes para os meninos e meninas (como flamingos, barquinhos ou outros) devem ser colocados na cintura, garantindo-se que o tamanho é adequado para a forma física da criança.

O seu uso tem um histórico de acidentes elevado, já que existe a tendência para que as crianças virem a bóia, ficando de cabeça para baixo e que os pais, confiando na segurança da bóia, descuidem a vigilância e não o notem.

Por fim, os coletes flutuantes, vestidos como verdadeiros coletes salva-vidas, são também fáceis de vestir e têm a vantagem de não virar nem prender os movimentos da criança.

Esta é, provavelmente, a opção mais segura mas, para que cumpra o seu efeito, este deverá adequar-se ao peso da criança e, idealmente, não se tratar de um colete insuflável.

2. Perigos das braçadeiras ou bóias braçadeiras ou bóias

Existem diversos perigos associados ao uso de braçadeiras ou bóias por parte dos mais pequenos.

Em primeiro lugar, o seu uso é responsável, por vezes, pela criação de uma falsa sensação de segurança nas crianças e nos pais.

Se, nos primeiros, isto tende a fazer com que tomem atitudes mais perigosas; nos segundos pode originar uma menor vigilância e uma perceção tardia de eventuais problemas.

Em segundo lugar, as crianças que utilizam braçadeiras ou bóias tendem a sentir-se assustadas com a ideia de entrar na água sem as mesmas, tendo uma maior dificuldade em aprender, efetivamente, a permanecer na água em segurança.

Por fim, é necessário considerar que não existe nenhum método flutuante à prova das brincadeiras menos agradáveis e que as crianças são mestres em encontrar formas de exceder os limites.

Assim, podem ocorrer acidentes com o uso das braçadeiras ou bóias e mesmo dos coletes.

Segundo referem algumas fontes oficiais, isto não significa que os pais não devam recorrer a estes métodos que, claramente, ajudam a garantir a segurança da criança na água.

Ainda assim, o seu uso não deve substituir, em nenhum momento, uma vigilância atenta por parte dos pais, para garantir que a ondulação, o vento ou as brincadeiras não transformam um mecanismo de segurança num artefacto perigoso.

3. Quando usar braçadeiras ou bóias braçadeiras ou bóias

Ensinar a criança a nadar deve ser o primeiro objetivo dos papás que querem evitar o afogamento. Ainda assim, o recurso a coletes, braçadeiras ou bóias pode ser muito útil enquanto a criança não souber fazê-lo.

Em situações de visita a piscinas ou à praia e durante a realização de desportos náuticos, estes poderão ser aliados importantes da criança, embora não dispensem, em caso algum, a vigilância.

Vista o flutuante ao seu filho mas garanta que mantém um olhar sobre a sua atividade nas águas. Apenas assim manterá a segurança à tona da água.

Como protege o seu filho da água nos meses de verão? Optou por braçadeiras ou bóias? Conte-nos como foi a sua experiência pessoal.

Algumas fontes: jumpstartswimming  littlefishswimschool  br.guiainfantil saudecuf deco.proteste abcnews4 educare

ARTIGOS REMOMENDADOS
ARTIGOS REMOMENDADOS

Comente este artigo