Manchas do porto no bebé, sabe o que são?

Manchas do porto no bebé

São muitos os bebés que nascem com as famosas “marcas de nascença”. Estas, no entanto, podem apresentar-se de formas diversas e, como tal, provocar muitas dúvidas nas mamãs. Sabe o que são as manchas do Porto no bebé?

Venha descobrir com o Bebé a Bordo.

As manchas de nascença ou marcas de nascença são uma realidade frequente. São muitas as crianças que, desde o primeiro momento, apresentam este tipo de sinal, gerando as mais diversas questões nos seus pais.

Entre as perguntas mais frequentes, podemos citar algumas: “A mancha apresenta uma coloração vermelha, é normal?”; “Esta mancha vai desaparecer ou será permanente?”; “A mancha pode ser um indicador de alguma doença mais grave?”; “Existe tratamento para as manchas do porto no bebé?”.

Hoje, é justamente às manchas do Porto que nos dedicaremos, procurando saber mais sobre este tipo de marca pigmentada, de coloração avermelhada.

Se deseja saber mais sobre as manchas do Porto no bebé, acompanhe-nos nesta viagem até ao mundo da pele do bebé.

1. O que são as manchas do Porto?

Conhecidas como manchas do vinho do Porto, manchas do Porto ou simplesmente “marcas de nascença”, estas podem ser definidas como zonas descoloradas da pele, de pigmentação avermelhada – podendo ir do cor-de-rosa suave até ao púrpura, sendo mais frequente que tomem uma tonalidade rubra – com as quais a criança nasce, devido à malformação congénita de vasos sanguíneos.

Em termos clínicos, estas manchas são provocadas pela dilatação dos capilares dérmicos.

Esta dilatação, que se dá nos vasos superficiais, leva à formação de manchas das tonalidades referidas, comummente no rosto, no pescoço ou nos membros, e de tamanho variável (podendo ter apenas alguns milímetros ou vários centímetros de diâmetro).


É mais comum que estas manchas não apresentem relevo, embora possa ocorrer a existência de áreas cutâneas com elevação.

Este tipo de mancha afeta cerca de 1% dos bebés ao nível mundial.

Estas manchas podem surgir por si só ou em conjunto com algumas síndromes, como o Sturge-Weber, pelo que se recomenda a consulta de um especialista de saúde sobre as mesmas.

Ainda assim, maior parte dos casos, estas manchas são inofensivas e tendem a permanecer para toda a vida, caso não sejam tratadas.

2. Manchas do Porto e Manchas Mongólicas: as diferenças

Como já vimos anteriormente, as manchas mongólicas tratam-se de áreas de pigmentação com uma coloração acinzentada ou azulada, particularmente comuns em bebés de origem africana ou asiática e que, por norma, se localizam nas costas ou no rabinho (bumbum, em português do Brasil) do bebé.

Estas tendem a amenizar ou mesmo a desaparecer com o passar do tempo.

Por outro lado, as manchas do Porto, nome que ganham pela sua coloração de um vermelho escuro ou rosada e que remete para a cor do vinho do Porto; trata-se de uma malformação congénita vascular e é mais comum que surjam no rosto ou no pescoço, podendo causar desconforto psicológico à pessoa que com elas nasce.

3. Tratamento para as manchas do Porto

Não havendo, salvo em casos onde integra outras síndromes, perigos concretos na presença de manchas do Porto no bebé, a verdade é que estas, principalmente se estiverem visíveis, podem gerar problemas psicológicos e de autoestima.

Neste sentido, o seu tratamento torna-se importante, sendo crucial que este se inicie a tempo de eliminar as manchas do Porto no bebé antes da idade escolar.

O tratamento mais eficaz conhecido para as manchas do Porto no bebé é o tratamento a laser, sendo que este promoverá a fototermólise seletiva e, como tal, a fotocoagulação da zona afetada.


Por norma, neste tipo de tratamento é utilizado o laser de luz pulsada ou o laser de Yag, sendo este segundo mais agressivo e eficaz. Este tratamento é realizado com a criança sedada.

Sabia o que eram as manchas do Porto no bebé? O seu filho nasceu com este tipo de marca? Conte-nos como foi todo o processo.

Algumas fontes: revistavivasaude  esteticas  msdmanuals  pediatrio

ARTIGOS REMOMENDADOS

DEIXA UM COMENTÁRIO