O diário da gravidez

Diário da gravidez, a construção de uma história de amor

Começa no momento em que vê o resultado positivo no seu teste de gravidez e acompanha-a até ao parto.

Nem toda a gente entende. Mas quem já foi mãe sabe.

É uma avalanche de sentimentos, de sentidos, de emoções.

Uma forma tão nova e intensa de viver os dias que, de repente, a vida parece ser algo que não era.

Mudam os objetivos. Mudam as prioridades. Muda o corpo. Muda o coração.

Tudo parece aumentar, para receber e acomodar um amor maior que o tempo. Na sua cabeça, começam a somar-se as perguntas.

Elas irão nascer nos locais mais inesperados. E terá milhões de ideias. É natural que as sinta como sendo só suas.

Mais ninguém está ali, no seu corpo, a experienciar, à sua maneira, a massa difusa de sensações. Pode ser egoísta quanto a esse sentimento porque ele é verdadeira e completamente seu.

Mas nem sempre é fácil guardar para nós. Pois não?

Quando a emoção nos cresce e vem aos olhos, numa frenética vontade de rir e chorar. As emoções parecem mãos humanas a cutucar as paredes da alma.

E este é o momento em que talvez decida: “vou escrever o diário da minha gravidez”.

O diário da gestação não é um hábito incomum entre as futuras mamãs. Na verdade, o diário da grávida pode ser uma excelente forma de seguir a sua gravidez semana a semana.

Neste artigo iremos, por isso mesmo, falar sobre a intimidade e o uso do diário da gravidez.

Mulher grávida a escrever um diário sobre a gestação

1. “A minha gravidez”

Diário da minha gravidez. Muitas mamãs chamam-lhe assim – com o pronome possessivo a enfatizar que é apenas seu e de mais ninguém.

É verdade! Tal como a emoção que sente, o diário da gestação é uma forma íntima e exclusiva de anotar as memórias, as sensações, os medos, os objetivos e tudo o que, ao longo da gestação, lhe parecer pertinente.

Algumas mamãs perdem muito tempo em torno da preparação do “Diário da minha gravidez”.

Decoram o seu caderno, ainda em branco, garantindo que ele se transforma num reflexo da sua vivência enquanto gestante.

É comum que se leia, no exterior, em letras graúdas “A minha gravidez”.

Da mesma forma, é comum que a grávida o mantenha fechado a sete chaves, lembrando que o conteúdo que se forma nos meandros do caderno é apenas seu.

Não sendo muito dadas ao artesanato e às artes plásticas, há também muitas mulheres que optam por comprar o seu diário da grávida numa papelaria ou por encomendar um online.

Flores, motivos natais e laçarotes são alguns dos motivos comuns para este diário, mas, justamente para reforçar a unicidade de cada gestação, algumas mulheres escolhem desenhos ou símbolos que representam a sua própria experiência.

É a sua forma de dizer “é a minha gravidez e falarei dela à minha maneira”.

2. Diário da gravidez, da capa ao conteúdo

Como em tudo o resto, no diário da grávida, o mais importante não é a aparência. Dentro dos limites da capa destes diários nasce uma das mais maravilhosas histórias de amor.

É uma história onde há espaço para os medos, os anseios e as dúvidas.

Uma história onde se exploram as dificuldades perante a mudança do corpo e a oscilação de humores. Uma história onde se fala do crescimento de uma semente cujo fruto será o amor eterno. Escrever esta história nem sempre é simples.

É uma escrita intimista e que irá imortalizar a memória de um dos mais belos períodos da vida da mulher.

Contar ao papel o que sente poderá dar à mulher um conforto único, permitindo que esta extravase, desta forma, o rio de emoções que corre livremente em si.

O diário da gravidez poderá falar sobre tudo o que alegra ou perturba a futura mamã e abrir espaço para que ela possa partilhar, até, coisas que, geralmente (e por medo de represálias), não diria.

É um espaço seguro que fica entre a mamã, a caneta e o papel. Para reler mais tarde, já de bebé ao colo.

3. Diário da gravidez, da intimidade à partilha

O diário da gestação é, por norma, um objeto pessoal e intransmissível.

Ninguém deverá lê-lo, principalmente sem a autorização da sua autora! Ainda assim, em casos excecionais, quando a futura mamã sente que deve fazê-lo, o conteúdo destas páginas pode ser partilhado.

Os recetores destes textos costumam ser apenas familiares muito próximos ou amigos íntimos da futura mamã.

O companheiro, a melhor amiga, a mãe ou a irmã são, por vezes, convidados a entrar no mundo dos pensamentos e emoções da gestante.

Esta é, também, uma forma muito útil de conhecer e compreender melhor todas as reações da grávida ao longo da gestação.

Claro! Por entre a emoção da escrita, é frequente que a futura mamã sinta o desejo de ser lida por outras pessoas, para partilhar vivências e práticas.

É assim que, por vezes, nasce o blog da gravidez, temática que abordaremos em breve!

 

blog bebé a bordo

 

Escreveria um diário sobre a sua gravidez? Qual é a sua opinião sobre este livrinho de emoções e memórias?

ARTIGOS REMOMENDADOS

Comente este artigo