Autismo: como identificar os primeiros sinais 

O autismo é uma condição psiquiátrica que preocupa os pais. Com uma incidência mundial cada vez maior e tendendo a surgir em torno dos 3 anos de idade, vale a pena conhecer os primeiros sinais do problema. Sabe como identificar os primeiros sinais do autismo? Então descubra quais são com o Bebé a Bordo. 

Ao longo da gestação e do crescimento da criança, a saúde é uma das principais preocupações. O cuidado com o bebé começa, justamente, nessa atenção aos potenciais sinais de que exista um problema, sendo que, desde muito cedo (antes mesmo do nascimento) se começa a fazer o despiste de eventuais problemas de saúde. 

Condições como a Síndrome de Down ou a Síndrome de West são vastamente pesquisadas. Mas outros cenários, como os habituais sapinhos na boca do bebé, as doenças mais comuns nos infantários ou as doenças de visão mais comuns no bebé levantam, também muitas questões. 

Fundamentalmente, os pais gostam de estar atentos aos sinais para poderem agir perante o mais pequeno sinal de alarme. E este cuidado – quando não é excessivo e leva ao aparecimento de um bebé estufa – pode ser muito importante no tratamento de vários problemas. 

O autismo é uma condição psiquiátrica sobre a qual, ao longo dos anos, tem vindo a falar-se cada vez mais. Sabe em que consiste o autismo? E sabe como identificar os primeiros sintomas? Então, encontrou o artigo certo para esclarecer as suas dúvidas. 

O que é o autismo

1. O que é o autismo?

O autismo trata-se de um quadro psiquiátrico, que afeta o desenvolvimento do ser humano. Este problema tende a iniciar-se em tenra idade – usualmente nos 3 primeiros anos de vida – começando, desde muito cedo, a mostrar sinais. 

O autismo apresenta formas mais e menos graves, que podem manifestar-se como meros traços e perturbações de ordem comportamental ou social ou avançar para quadros clínicos mais severos, como a Síndrome de Asperger

Vários estudos se têm debruçado sobre o autismo e, gradualmente, têm surgido tratamentos úteis para pessoas com esta condição, embora muitos dos traços de um autista se mantenham na idade adulta. (1

Quais são as causas do autismo?

Não se conhecem as causas do autismo. Acredita-se, no entanto, que este resulte de uma anomalia funcional ou estrutural no cérebro. 
Esta doença é mais comum em crianças do sexo masculino e em crianças que sofrem de outros problemas, como a rubéola congénita ou a esclerose tuberosa. 

Fatores ambientais, como a poluição e genéticos, como a hereditariedade, são também considerados como causas potenciais do autismo. Além dito, há ainda a crença de que determinadas infeções e problemas metabólicos gestacionais (como a rubéola na gravidez) possam contribuir para o autismo. (2

Qual a incidência do autismo?

Mundialmente, o autismo afeta 60 em cada 10 mil crianças; numero que tem vindo a aumentar ao longo das últimas décadas. Segundo os dados portugueses, 1 em cada 1000 crianças sofre de autismo. 

2. Como identificar os primeiros sinais de autismo?

Conhecer os sintomas e sinais de autismo é muito importante para que se possa identificar este problema e agir sobre o mesmo. Entre os primeiros sinais de autismo, destacamos os seguintes: (3

– Manifestação de uma postura apática; 
– Tendência para chorar continuadamente e de forma ininterrupta; 
– Tendência para evitar o contacto visual com a mãe; 
– Manifesta inquietude; 
– Transtornos de linguagem ou evitar falar; 
– Ignorar chamados ou apresentar surdez aparente; 
– Movimentos repetitivos, usualmente pendulares, dos membros, da cabeça ou do tronco; 
– Tendências agressivas; 
– Dificuldade patente na aceitação de novas rotinas ou outras mudanças; 
– Ansiedade. 

3. E depois de identificar? Como é tratado?

A evolução da ciência e da medicina tem sido muito positiva para os autistas. Antigamente, pessoas com este quadro de saúde eram, por norma, institucionalizadas. Hoje, a criança é acompanhada de uma forma distinta, tendo acesso a redes adequadas de apoio que permitem que estas possam desenvolver-se e aprender ao seu ritmo e tendo em consideração as suas dificuldades. 

O autismo não tem cura mas é possível recorrer a tratamentos que ajudam a minorar situações como a ansiedade, a depressão ou a hiperatividade destas crianças. Estes tratamentos serão sempre ajustados consoante a necessidade e o grau de autismo de cada criança. 

Além da medicação, existem também abordagens educativas e comportamentais que podem ajudar a criança com autismo. (4

É possível prevenir o autismo?

Como as causas do autismo não são conhecidas, não é possível prevenir a doença. A única recomendação preventiva é para que as gestantes evitem meios mais poluídos e também o consumo de álcool ou drogas na gravidez. É ainda recomendada a vacina contra a rubéola. 

Já conhecia os primeiros sinais de autismo? O seu filho é autista? Conte às restantes mamãs do Bebé a Bordo qual o impacto que este problema do seu filho tem no seu desenvolvimento. 

Poderá ter interesse também em:

Birras entre os 2 e 3 anos

Crianças mimadas: de quem é a culpa, afinal?

ARTIGOS REMOMENDADOS

Comente este artigo