Depilação íntima na gravidez, posso fazer?

Depilação íntima na gravidez

A gravidez é uma época de emoções para as mulheres.

Nesta época, o corpo passa por inúmeras mudanças e a nossa mente é levada até àquele lugar onde cada pequeno ato do quotidiano levanta uma nova dúvida ou questão.

Assim, ao longo de nove meses, as gestantes procuram as respostas sobre os pequenos atos do quotidiano, tentando assim garantir que nenhum dos seus atos pode prejudicar a sua saúde ou a do seu bebé.

A depilação na gestação – em geral – e particularmente a depilação íntima fazem parte do número infinito de dúvidas que assomam a gestante grávida.

São muitas as futuras mamãs que, perante o crescimento de pelo (ocasionalmente em maior quantidade, devido às hormonas da gravidez), procuram saber se podem depilar a região do bikini e de que forma o podem fazer, sem causar qualquer tipo de constrangimento ao bebé.

Claro que esta não é uma temática da qual todas falemos com naturalidade… parece sempre “tabu” falar sobre o que acontece nas áreas privadas.

E, porque sabemos que assim é, hoje mergulhamos no mundo da depilação íntima, para esclarecer as questões que, provavelmente, tem medo ou vergonha de colocar.

Acompanhe-nos para saber tudo sobre a depilação íntima na gravidez.

1. O crescimento do pelo na gravidez

Se notou alterações na velocidade de crescimento do pelo, na sua textura ou na sua quantidade, não se preocupe.

Estas alterações são naturais durante a gravidez e ocorrem em locais desejados – como o cabelo, que se torna mais volumoso, denso e cresce mais rapidamente – e em locais indesejados – como as pernas, a região genital, as axilas e, ocasionalmente, até no queixo, mamilos e na região abdominal.

Este crescimento extra dos pelos corporais é comum e, da mesma forma que é promovido pela presença das hormonas que correm livremente no seu corpo durante a gestação, acabam por desaparecer naturalmente alguns meses de pois de dar à luz o seu bebé.

Embora o crescimento destes pelos seja absolutamente normal, a futura mamã não se sente sempre confortável com ele. Desta forma, a depilação parece uma solução.

Mas existem alguns cuidados a ter.

2. Depilação íntima na gravidez

Particularmente na região genital e na linha de bikini, a gestante poderá notar um aumento de pelo desconfortável.

O desejo de avançar com a depilação desta região torna-se, então, mais intenso e é muito importante saber se é seguro fazê-lo.

Em geral, a depilação a cera não é considerada perigosa para as gestantes, sendo, no entanto, mais dolorosa.

Esta dor é provocada por uma maior sensibilidade da pele e vem, muitas vezes, acompanhada de irritações cutâneas.

No momento de fazer a sua depilação íntima com cera, terá duas opções: recorrer aos serviços externos ou fazê-la em casa.

Os cuidados a ter nestas situações são bastante diferentes.

Se optar por contratar o serviço de depilação, deve garantir que o local onde vai não utiliza a mesma cera em vários pacientes.

Os locais que usam, ainda, esta desaconselhada técnica, não respeitam as condições sanitárias e poderão fazer com que, além de uma experiência mais dolorosa, possa contrair infeções indesejadas.

Já em casa, esse risco não existe, uma vez que a cera utilizada não é reutilizável. Ainda assim, deve ter alguns cuidados.

As ceras que propõem o seu aquecimento no forno ou no microondas ficam, muitas vezes, quentes demais.

Evite usar a cera em sobre temperatura.

Uma eventual queimadura de cera, principalmente num local tão sensível como a região genital, poderá levar a uma infeção.

Além disto, se fizer a depilação em casa, poderá encontrar alguns constrangimentos físicos, sendo que, a partir de uma determinada fase de crescimento abdominal, se torna difícil atingir a região que deseja depilar.

O uso de cremes depilatórios nesta região é desaconselhado, uma vez que, embora os seus componentes não sejam necessariamente perigosos, o seu estudo ainda não foi suficientemente intensivo para garantir que não causam constrangimentos durante a gestação.

Caso lhe seja confortável, poderá usar a lâmina, tendo cuidado para não se cortar. Mais uma vez, dado o tamanho do ventre e as eventuais dores nas costas, poderá ser difícil fazê-lo sozinha a partir do terceiro trimestre.

3. Cuidados extra na depilação íntima na gravidez

No momento de fazer a sua depilação genital, deve garantir alguns cuidados extra. Evite depilar zonas onde tenha cortes abertos ou queimaduras; sinais, irritações ou tecido de cicatrização.

Se estiver a aplicar algum tipo de medicação tópica recomendada pelo seu médico, fale com ele antes de avançar para a depilação, para garantir que pode depilar esta região.

Além disto, no caso de avançar com a depilação na linha de bikini, deve garantir alguns cuidados.

Depois de se depilar, evite a exposição direta das regiões depiladas com o sol durante pelo menos um dia e evite produtos com químicos ou perfumes.

É no entanto, aconselhado que coloque um creme gordo ou um hidratante natural na região.

No caso de não aguentar fazer a depilação a cera por causa da sensibilidade e não conseguir alcançar a região para o fazer com lâmina, não se preocupe.

Quando necessário, no momento do parto, a própria clínica ou maternidade irá fazê-lo por si.

Realizou a depilação íntima durante a gestação? Como fez esta depilação? Ajude-nos a quebrar o tabu, contando-nos como viveu esta situação.

ARTIGOS REMOMENDADOS
DEIXA UM COMENTÁRIO