Engravidar depois dos 35 anos, vantagens e riscos

Engravidar depois dos 35 anos é cada vez mais comum nas sociedades atuais. Mas sabe quais são as vantagens e os riscos desta gravidez tardia? Venha descobrir, com o Bebé a Bordo, todas as caraterísticas, benefícios e problemáticas de se engravidar depois dos 35 anos.

O novo ritmo do mundo tem expressão nas mais diversas áreas da vida e a maternidade não é excepção.

Estatisticamente, hoje em dia, as mulheres tendem a ser mães cada vez mais tarde, sendo que também a estabilidade laboral e económica parece, agora, demorar mais a atingir.

As mães após os 35 anos são comuns e, embora os riscos associados à gestação aumentem com o avanço etário, a verdade é que não faltam, também, argumentos que destacam os benefícios desta maternidade mais tardia.

Muitas mulheres querem saber, por isso, como é engravidar aos 40 anos ou se é possível engravidar na menopausa, estendendo ainda questões sobre o significado de uma gravidez de risco e a probabilidade de vivenciar uma devido à idade.

Hoje, queremos dar respostas a todas estas questões e convidamos, por isso, para que venha connosco nesta viagem até aos riscos e às vantagens de se engravidar depois dos 35 anos.

1. Gravidez depois dos 35 anos

Engravidar depois dos 35 anos foi, durante muitos anos, considerado um risco. Com um sistema reprodutivo menos ativo e maiores dificuldades de concepção, estas mulheres pareciam arriscar uma gravidez de risco, onde muito poderia correr mal.

Ainda assim, à medida que esta prática se tornava mais e mais comum nas sociedades ocidentais, novos estudos foram sendo realizados e destacaram, não só os riscos, mas também as vantagens de se ser mãe mais tardiamente.

Um estudo publicado na revista científica Journal of the American Geriatrics Society, por exemplo, optou por destacar a atividade cerebral e os benefícios da gravidez depois dos 35 anos para a manter ativa na terceira idade.

Claro que a existência de benefícios não anula os riscos que a mulher corre durante a gravidez nem alteram o facto de que possa tornar-se mais difícil engravidar. Ainda assim, inegável, independentemente dos problemas e das vantagens, é que engravidar depois dos 35 anos é, hoje, uma prática comum.

Fatores sociais que levam a engravidar depois dos 35 anos Engravidar depois dos 35 anos

A gravidez mais tardia não acontece de uma forma pouco expectável ou desligada da realidade do mundo atual.

Vários fatores de índole social promovem este retardar da maternidade e justificam que as mulheres prefiram engravidar depois dos 35 anos. Entre as razões mais comuns para que assim seja encontram-se, por exemplo:

– Dificuldade em encontrar um emprego;
– Maior desejo de realização profissional;
– Dificuldade na conquista de uma vida independente;
– Situação económica precária e contratos a prazo;
– Relacionamentos afetivos mais fugazes;
– Retardamento do casamento ou vida conjunta;
– Decréscimo no número de relacionamentos estáveis;
– Status económico mais instável.

Todos estes fatores fazem com que, muitas vezes, o plano ser mãe seja adiado, aguardando cenários mais estáveis e adequados para receber um filho e fazem com que se torne mais comum engravidar depois dos 35 anos.

2. Quais são os riscos de engravidar depois dos 35 anos?

Quando uma mulher de 35 anos ou mais decide ser mãe existem riscos efetivos a considerar.

Para começar, a mulher deve saber que, segundo dados lançados pela Escola Americana de Obstetrícia e Ginecologia, a fertilidade da mulher começa a diminuir depois dos 32 anos, sendo que, pelos 35 anos, as hipóteses de uma gravidez natural, sem recurso a tratamentos de fertilidade é de apenas de 52%.

Uma vez grávida nesta idade, no entanto, há também outros riscos envolvidos. Uma mulher com mais de 35 anos terá, por exemplo, maiores hipóteses de ter uma gravidez múltipla e têm maior probabilidade de que lhes seja induzido o prazo.

É ainda mais provável que o bebé precise de ser retirado a ferros, que lhe seja diagnosticado stress fetal ou que precise de uma cesariana de emergência.

Ao engravidar depois dos 35 anos, a mulher tem ainda mais hipóteses de ter um bebé portador de deficiência, um bebé de baixo peso, um bebé prematuro ou um bebé com síndrome de Down, sendo ainda mais comuns as anomalias genéticas e os abortos espontâneos.

Quando se engravida depois dos 35 anos, o risco de complicações para a mãe também aumentam, sendo que estas gestantes têm maior propensão a ter diabetes gestacional, hipertensão ou pré-eclâmpsia.

3. Quais são as vantagens de engravidar depois dos 35 anos?

Entre as vantagens de engravidar depois dos 35 anos, no entanto, existem também várias vantagens que, muitas vezes, justificam que as mamãs prefiram aguardar e apostar num acompanhamento clínico mais frequente.

Uma das vantagens de engravidar depois dos 35 anos, por exemplo, é que, por norma, estas crianças partem de um planeamento mais cuidado e são educadas por pais mais velhos e mais maduros, que contam com uma estabilidade emocional e financeira mais efetiva.

Uma maior responsabilidade em práticas quotidianas, como a visita ao médico, por exemplo, pode garantir uma saúde melhor para a mamã e o bebé.

Além disso, a nível emocional, as mulheres têm uma maior capacidade de gestão emocional, o que torna menos provável que venham a sofrer de depressão na gravidez ou de depressão pós-parto.

A nível físico, a gravidez depois dos 35 anos tem um efeito rejuvenescedor nas mulheres, já que o estrogénio – uma das hormonas libertadas durante a gestação – ajuda na tonificação muscular e promove a saúde cerebral.

Alguns estudos apontam mesmo para o facto de que a gravidez tardia possa aumentar a esperança de vida da mulher, embora estes dados sejam ainda parcos e precisem de mais sustento científico.

Sabia as vantagens e dificuldades em engravidar depois dos 35 anos? Foi mãe depois desta idade? Conte a sua experiência pessoal às restantes mamãs do Bebé a Bordo.

Poderá gostar também de ler:

Infertilidade masculina, será afetada por ter o telemóvel no bolso?

Vitamina Sol na gravidez, importância de A a D

Algumas fontes: medicalnewstoday parents  webmd brasil.babycenter revistacrescer.globo  mother-top

ARTIGOS REMOMENDADOS
ARTIGOS REMOMENDADOS

One Response

  1. Michelle Peters

Comente este artigo