Menu
in ,

10 erros comuns na alimentação do bebé

erros comuns na alimentação do bebé

É verdade que as mamãs e papás se preocupam muito com a alimentação dos seus filhos. Ainda assim, alguns dos erros comuns na alimentação do bebé, são frequentes em muitas famílias. Alguns, embora não se relacionem diretamente com a escolha de alimentos, podem ter consequências severas na nutrição da criança. Quer saber quais os 10 erros comuns na alimentação do bebé?

Venha descobrir com o Bebé a Bordo.

Quando pensamos em erros comuns na alimentação do bebé, é natural que o pensamento nos fuja para algumas das temáticas mais comuns dentro desta questão: a diversificação alimentar da criança, a escolha das primeiras sopas, a importância da cadeira de alimentação ou o como alimentar o bebé de 1 ano ou de 2 anos serão, por certo, algumas das práticas que podemos questionar e dentro das quais poderemos – talvez – encontrar erros.

Ainda assim, devido à enorme preocupação dos pais no que diz respeito à escolha dos alimentos a fornecer à criança, embora exista margem para erros na seleção alimentar, a verdade é que não é nesta que se encontram os erros mais comuns na alimentação do bebé.

As práticas e hábitos associados ao momento de alimentar o bebé estão frequentemente minadas com ideias e costumes que poderão não ser tão saudáveis ou benéficos quanto se possa pensar num primeiro instante.

Muitas vezes, estas rotinas tornam-se regulares e impactam diretamente com a forma como o bebé se alimenta, podendo prejudicá-lo no que diz respeito à sua correta nutrição.

Hoje, fomos à descoberta dos 10 erros comuns na alimentação do bebé, para descobrirmos quais são e como podem ser evitados.

Se também quer conhecer os erros comuns na alimentação do bebé, este artigo foi feito a pensar em si.

1. Erros comuns na alimentação do bebé: Tentar manter a criança limpa durante a refeição

Um dos erros comuns na alimentação do bebé – e do qual quase todos os adultos que lidam com crianças são inconscientemente culpados – é a necessidade que se sente de limpar constantemente o rosto do bebé durante a refeição.

Muitas vezes, devido à confusão e sujidade que se gera em torno desta tarefa, existe a tendência para ir limpando o seu rosto ou mesmo a bancazinha da sua cadeira de alimentação.

Ao longo do processo de alimentar a criança, no entanto, deve ser compreendido que toda a envolvente caótica do processo é, na verdade, parte da evolução do bebé, que assim aprende a provar, a sentir, a cheirar e a brincar com a comida, num verdadeiro processo interativo.

A tentativa de limpar constantemente a criança e a sua envolvente, faz com que a criança seja distraída da tarefa que a ocupa: a de comer.

2. Obrigar o bebé a comer porções estipuladas

Muitas mamãs têm medo que o seu filho não coma o suficiente e acabam por cair num dos erros comuns na alimentação do bebé: o de obrigar a criança a comer as porções servidas, ainda que este se sinta saciado.

As mamãs deverão considerar que comer bem não significa obrigatoriamente comer doses grandes. Quantidades moderadas de alimento deverão ser servidas à criança, sendo que desta partirá, se o desejar, o pedido por mais comida.

Um estudo americano, proveniente da Universidade de Stanford, revelou mesmo que a redução na pressão exercida na hora da refeição ajuda a evitar situações perigosas, como a obesidade infantil.

3. Fazer uma comida diferente para o bebé

Outro dos erros comuns na alimentação do bebé é a criação de um menu específico para a criança e que difere da comida servida à restante família.

Passando uma mensagem errada: a de que o bebé não irá gostar de determinados alimentos ou que não deverá comer como a restante família; esta prática faz com que se torne mais provável a recusa da criança em provar ou ingerir determinado tipo de alimentos, importantes para a sua nutrição.

4. Camuflar alimentos dos quais se julga que a criança não irá gostar

Um dos erros comuns na alimentação do bebé é a camuflagem de alimentos que os pais acreditam que a criança não deseja comer.

Tentar camuflar alimentos, como vegetais, no prato (ou mesmo criar nomes mais apelativos para os mesmos) pode fazer com que, a longo prazo,as crianças se recusem a comê-los.

Desta forma será conveniente não transformar os vegetais em puré (prática frequente) criando a ideia errada que assim apresentados irão ter mais aceitação.

Esta ideia foi sublinhada por uma pesquisa realizada nos Estados Unidos, na Universidade de Cornell, após a análise de uma amostra que reuniu 147 crianças.

A honestidade em torno dos alimentos torna, segundo este estudo, mais provável que a criança não se recuse, a longo prazo, a comer o alimento.

5. Erros comuns na alimentação do bebé: Passar todos os alimentos

Da mesma forma, quando toda a comida da criança é passada, cumpre-se outro dos erros comuns na alimentação do bebé: o de privar a criança da noção de que terá de comer como a restante família e também a de prejudicar a criança no que diz respeito à sua evolução sensorial.

À medida que o bebé vai crescendo, o contacto com outras formas e texturas torna-se fundamental para garantir que, a médio e longo prazo, a criança incluirá os diversos nutrientes na sua rotina alimentar.

Sendo assim,  é de extrema importância introduzir texturas o mais precocemente possível.

Muitas vezes os pais têm medo de apresentar ao bebé os alimentos sem serem triturados alegando que estes não têm dentes e portanto não os vão conseguir mastigar e consequentemente poderão engasgar.

Esta ideia é comum mais sem fundamento, uma vez que os bebés são bem capazes de mastigar mesmo sem dentes.

6. Usar os alimentos como recompensa

Embora possa parecer óbvio, este é um dos erros mais comuna na alimentação do bebé. Muitos pais tentam aliciar os seus filhos a portarem-se bem ou a comerem tudo, usando os alimentos de que estes gostam – e principalmente os doces – como uma recompensa.

Além de ser nocivo para as crianças pequenas (principalmente até aos 2 anos ) o consumo de açúcares, a comida não deverá, jamais, ser vista como uma forma de castigo ou recompensa, podendo haver associações nocivas perante determinados alimentos, o que fará com que as crianças os recusem e, consequentemente, prejudiquem a sua correta nutrição.

7. Desistência célere na oferta de novos sabores

Quando um novo sabor ou textura é apresentado à criança, é natural que esta tenha alguma relutância em provar ou apreciar a mesma. Ainda assim, um dos erros comuns na alimentação do bebé será desistir desta apresentação sem um pouco de insistência.

Antes de se aceitar que a criança simplesmente não gosta de determinado alimento, é muito importante que as suas formas de preparação e apresentação sejam exploradas, para tentar compreender se a criança está a reagir mal ao ingrediente ou, por outro lado, apenas à sua forma de confeção ou à maneira como este se apresenta no seu prato.

Nestas situações deve apresentar-se o mesmo alimento, pelo menos até 10 vezes, variando o modo de confecção e apresentação. Se após estas tentativas continuar a haver recusa, poderá então significar que o bebé não gosta mesmo desse alimento e não valerá a pena mais insistência, pelo menos durante uns tempos.

É muito importante para a correta nutrição da criança que os papás se esforcem por integrar na sua rotina alimentar a maior diversidade possível de alimentos.

8. Descartar a preocupação com a apresentação da comida

Toda a gente come com os olhos mas os bebés são aqueles que mais se deixam afetar pela apresentação dos pratos. Um dos erros comuns na alimentação do bebé é a apresentação de pratos pouco apelativos e que não cativem a criança.

Vegetais e outros alimentos podem ser colocados no prato de forma a criar padrões, imagens ou simplesmente “jardins de cor”.

Se a criança se deparar com um prato que apele ao seu olhar sentirá, certamente, mais apetite e menos relutância a provar os sabores que lhe são apresentados.

9. Evitar a presença das crianças durante a preparação da comida

Os perigos de uma cozinha são muitos e evidentes: facas, superfícies quentes, material pesado… tudo isto pode ser perigoso para um bebé sem supervisão! Ainda assim, evitar que as crianças estejam na cozinha durante a preparação dos pratos é outro dos erros comuns na alimentação do bebé.

O momento de preparar a comida (e até a ideia de que pode ajudar a fazê-lo) pode constituir um importante estímulo para que a criança queira provar e consumir os alimentos.

A criação de bons hábitos alimentares passa, por isso, também pela confeção e pela sensação de inclusão no momento de cozinhar.

Ainda que seja na sua cadeira de alimentação, a criança poderá começar a sentir as texturas das massas nas mãos e a observar o processo de mistura dos vários ingredientes, criando uma ligação sensorial e emotiva com todo este processo.

10. Erros comuns na alimentação do bebé: Não dar o exemplo

Por fim, um dos principais erros comuns na alimentação do bebé é o exemplo dado pelos pais. Todas as crianças – independentemente da idade – tenderão a aprender mais pela imitação do que pelo ensinamento dado através das palavras.

Se as crianças tiverem a oportunidade de viver o momento da refeição junto de uma família que privilegia a alimentação saudável e não faz recusa de alimentos à mesa, é mais provável que a sua abertura a este tipo de alimentação seja maior.

Assim, não dar o exemplo será um erro grave e que poderá levar a criança a fazer escolhas menos saudáveis, que serão nocivas para a sua nutrição e para a sua saúde.

Comete algum destes erros comuns na alimentação da criança? Qual deles? Considera que existe mais algum erro no momento das refeições? Conte a sua opinião às restantes mamãs do Bebé a Bordo.

Algumas fontes: health.usnews  jillcastle parent24 revistacrescer.globo  soumamae health.usnews

ARTIGOS REMOMENDADOS

Escrito por Ana Sofia Calha

Ana Sofia Silva Calha nasceu em Leiria (Portugal) no ano 1980. Licenciada em Antropologia pela Universidade de Coimbra desde 2007 e Dietética pelo Politécnico de Leiria, sendo Nutricionista desde 2015.
Facebook - Linkedin

Leave a Reply

Exit mobile version