Consumo de café na gravidez, quais efeitos pode ter a cafeína

Café na gravidez, quais efeitos pode ter a cafeína

Se está grávida e o café faz parte da sua rotina quotidiana, é natural que sinta falta da sua bebida favorita e que questione os malefícios que esta bebida tem nesta fase da sua vida. Venha descobrir com o Bebé a Bordo, os problemas associados ao consumo de café na gravidez e quais os efeitos que a cafeína pode ter nesta fase da sua vida.

O café é “o combustível” que move muitas pessoas no seu quotidiano.

Além de ser saborosa, esta bebida é considerada uma fonte imprescindível de energia para muitas pessoas em todo o mundo e é, também, um dos hábitos sociais mais enraizados das culturas ocidentais.

Então, para muitas mulheres, ao engravidar, este constitui, também, um dos hábitos mais difíceis de deixar, sendo causador de um imenso questionamento.

O café na gravidez será, a par com a gravidez e o chocolate ou com o consumo de mel, uma das questões mais frequentes das gestantes, que procuram saber por que razão este se encontra entre as bebidas a evitar na gravidez.

O café é, de facto, uma bebida desaconselhada durante a gravidez, uma vez que a cafeína é capaz de permear a placenta e chegar até ao bebé, podendo ser responsável por problemas no seu desenvolvimento.

Ainda assim, como sabemos que muitas mamãs sentem dificuldade em deixar o seu café, fomos saber se o café tem realmente de ser totalmente removido da rotina alimentar da gestante ou quais as alternativas que podem ser exploradas nesta fase da vida da mulher grávida.

Se o café é uma das suas bebidas favoritas, este artigo é mesmo para si! Venha com o Bebé a Bordo saber se pode ceder ao seu desejo de consumo desta bebida e quais os cuidados a ter, caso o faça.

1. Café na gravidez café na gestação

O café é, como todos sabemos, muito rico em cafeína.

Esta substância, que pode ser encontrada em várias partes da planta do café, trata-se de uma substância alcalóide cujos efeitos afetam de forma visível o sistema nervoso central.

A cafeína é um estimulante e um excitante, tendo ainda uma função diurética sobre o organismo.

Assim, é muito comum que, quando engravida, a mulher seja aconselhada a deixar (ou, pelo menos, a limitar) o consumo de café e de outras bebidas e alimentos que tenham cafeína na sua composição.

Ao longo do tempo, têm sido diversos os estudos sobre os eventuais benefícios e malefícios do consumo desta bebida durante o período gestacional e são igualmente muitos e diversos os resultados obtidos.

Do que se sabe, o consensual é que o café deve ser evitado durante a gestação, embora um consumo esporádico ou moderado não seja nocivo.

Assim, as gestantes devem deixar de beber café ou, pelo menos, não deverão ultrapassar os 200 mg de cafeína por dia (dose equivalente a dois cafés diários).

2. Problemas e benefícios do café na gravidez café na gravidez

Como todos os alimentos e bebidas, o café apresenta benefícios e malefícios, embora, durante a gestação, os primeiros sejam substancialmente menores do que os segundos.

No que diz respeito aos benefícios do café encontramos a proteção celular e a estimulação cerebral.

Ainda assim, os seus malefícios, nesta fase da vida da mulher, parecem ser mais proeminentes e visíveis.

Para começar, quando uma gestante bebe café na gravidez, esta está a permitir que a cafeína que entra no seu corpo penetre a placenta e entre no sistema sanguíneo do bebé, numa fase em que o seu corpo se encontra, ainda, em desenvolvimento, e tem dificuldade em processar a cafeína.

Esta situação foi já associada, por vários estudos, a situações de aborto prematuro e também de nascimentos de bebés abaixo do peso.

Além disso, a cafeína pode agravar diversos dos problemas que assomam a gestante, tais como a insónia, a azia ou a pressão arterial elevada.

Em grandes quantidades, o consumo de café na gravidez pode também levar a que o organismo tenha uma maior dificuldade na absorção do ferro, o que pode gerar situações de anemia gestacional.

Assim, torna-se fundamental que a dose máxima de café anteriormente mencionada não seja ultrapassada durante a gestação.

3. Estudos sobre o café na gravidez

Recentemente, alguns estudos realizados têm enfatizado os benefícios e malefícios do consumo de café na gravidez.

Um estudo realizado pelo Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra a par com o instituto francês da Universidade Aix Marseille, o Institut National de la Santé et de la Recherche Médicale, e publicado pela revista científica Science Translational Medicine concluiu que o café na gravidez pode, além de tudo o que já mencionámos, afetar negativamente o cérebro dos bebés.

Ainda assim, um estudo americado do American College of Obstetricians and Gynecologists considerou que, até aos 200 mg diários de consumo, o café na gravidez não deverá afetar negativamente a mamã ou o feto.

Também este estudo reforça a importância de não exceder a referida dose.

Costuma beber café diariamente? Manteve este hábito durante o período da sua gravidez? Conte-nos como foi a sua experiência pessoal.

Algumas fontes: babycenter  maemequer  ncbi.nlm.nih theguardian

Comente este artigo