Bebé daltónico: quais os sinais?

O bebé daltónico pode gerar preocupações nos seus pais. Esta perturbação na visão é comum e deve ser identificada durante a infância. Já conhece os sintomas do daltonismo? Sabe dizer se o seu filho sofre deste problema? Então, venha saber mais sobre o bebé daltónico com o bebé a Bordo.

A visão do bebé é um dos aspetos de saúde que preocupa os seus pais. Durante os primeiros de vida, os constrangimentos relacionados com os olhinhos do bebé serão, por isso, um dos focos de atenção dos cuidadores da criança.

As doenças de visão mais comuns nos bebés poderão, de facto, ter manifestações nos primeiros anos de vida. Problemas como o estrabismo, a ambliopia e a hipermetropia são alguns exemplos de problemas e condições que parecem gerar maior preocupação nos pais das crianças.

Outra condição que preocupa estes cuidadores é a forma como alguns bebés demonstram dificuldade na distinção de cores. Quando isto acontece, de facto, pode ser um sinal de que está perante um bebé daltónico.

Mas, afinal, do que estamos a falar quando falamos em daltonismo? E como identificar os sintomas de um bebé daltónico? Será que esta perturbação visual tem cura? É a estas e outras perguntas que, hoje, tentaremos dar resposta.

Venha descobrir quais os sinais de que está perante um bebé daltónico com o Bebé a Bordo.

De que se trata o daltonismo infantil?

O daltonismo (também chamado de discromatosopia, “cegueira das cores” ou “deficiência visual de cores”) trata-se de uma perturbação da visão relacionada com a capacidade de distinção das cores.

As manifestações do daltonismo infantil podem prender-se com a dificuldade na distinção das cores ou mesmo pela incapacidade de ver várias cores, havendo uma visão totalmente acromática.

Limitativa, já que impede que exista uma perceção completa das tonalidades do mundo, esta perturbação visual tem mais impacto social do que físico, já que não se trata de uma doença, mas apenas de uma perturbação que não causa outro tipo de constrangimento a nível de saúde.

O daltonismo é mais comum em meninos do que em meninas e afeta cerca de 8% da população mundial. Grande parte das pessoas com daltonismo não sabe que sofre desta condição, já que, para elas, é “normal” a forma como vê o mundo em seu redor.

A identificação deste problema, quando o bebé é daltónico, torna-se importante apenas para garantir que, na idade escolar, a criança não sofrerá pressões desajustadas, que a deixem constrangida ou traumatizada. Mediante o diagnóstico, é importante que os cuidadores e docentes do bebé daltónico sejam informados das suas restrições, para que adequem as suas práticas a esta limitação visual.

Qual é a causa do daltonismo?

O bebé daltónico poderá sofrer desta condição devido a uma mutação genética no cromossoma X. Esta mutação torna impossível a diferenciação de determinadas cores e deriva de um problema de identificação gerado por uma deficiência das células nervosas oculares (ou cones).

Todos os bebés daltónicos vêem igual?

Não. O daltonismo conta com vários tipos e a quantidade de cores que o bebé daltónico vê depende do seu tipo e grau de daltonismo. Os três principais tipos de daltonismo são:

– Protanomalia: daltonismo no qual o bebé sente dificuldade na identificação do vermelho;
– Deuteranomalia: o bebé daltónico confundirá o vermelho e o verde. É o tipo mais comum;
– Tritanomalia: o bebé tem dificuldade de identificação e distinção de todos os tons entre azul e amarelo.

Que sinais apresenta um bebé daltónico?

Um bebé daltónico apresenta sintomas da sua “deficiência na visão a cores” desde bastante cedo, sendo que alguns dos sinais que podem ser identificados podem ser observados através de manifestações como:

– dificuldade na identificação de cores;
– utilização de cores erradas no momento de pintar um determinado desenho;
– resistência a atividades de colorir ou desatenção durante as mesmas;
– confusão entre cores como vermelho e verde;
– visão noturna acima da média;
– olfato muito apurado;
– sensibilidade a luzes intensas;
– sensação de dor nos olhos ou na cabeça mediante a apresentação de determinadas cores.

Identificar o bebé com daltonismo em 4 passos

Para que se torne mais simples a identificação do bebé daltónico, é possível seguir 4 passos bastante simples:

Passo 1. Utilizar o vermelho e o verde para tentar compreender se existe confusão entre estas duas cores. Embora não seja a única manifestação de daltonismo, esta é, pois, a mais comum;

Passo 2. Criar momentos divertidos e de brincadeira onde as cores estejam presentes e tentar compreender se a distinção entre as colorações é clara;

Passo 3. Realizar o teste de Ishihara. Isto é: perceber se a criança reconhece os números, feitos de pontos coloridos, no centro de um fundo com outra coloração.

Passo 4. Levar o bebé a um especialista para que sejam realizados exames preventivos.

Como é feito o diagnóstico do daltonismo infantil?

Quando existe a suspeita de que se está perante um bebé daltónico, a avaliação por parte de um especialista torna-se pertinente.
O diagnóstico do daltonismo infantil pode ser feito através de processos e jogos de colorir, do recurso ao teste de Ishihara e também de testes oftálmicos realizados em consultório e que variam consoante a idade da criança.

Existe tratamento para o bebé daltónico?

O daltonismo não tem cura mas, apesar disso, a vivência com esta condição não é, também, um problema de maior.

Usualmente, como a criança nunca viu as cores que confunde, é natural que não sinta a sua falta. O problema gerado por esta situação é maioritariamente social e prende-se, na idade escolar, com a dificuldade na identificação de certos gráficos e tabelas; com a pressão excessiva por parte de educadores que não estejam informados sobre o problema; ou com a própria maldade dos pares, que poderão iniciar atos de bullying com base neste constrangimento da criança.

Justamente para que se evitem estas situações, é importante que o problema seja identificado e que os cuidadores da criança sejam informados quanto às suas limitações.

Já conhecia os principais sinais do daltonismo infantil? O seu filho foi um bebé daltónico? Conte aos restantes leitores do Bebé a Bordo como identificou e lidou com esta situação. A sua experiência pessoal será certamente útil para outras pessoas na mesma situação.

Algumas fontes: colourblindawareness colourblindawareness dicaspaisefilhos nhs  raisingchildren
br.guiainfantil

ARTIGOS REMOMENDADOS
ARTIGOS REMOMENDADOS

Comente este artigo